Signal e Telegram têm alta na demanda após WhatsApp atualizar termos de serviço

Facebook e suas subsidiárias passam a coletar dados do usuário, incluindo seu número de telefone e localização .

Redação
Compartilhe esta publicação:
Dado Ruvic/ Reuters
Dado Ruvic/ Reuters

Facebook e suas subsidiárias passam a coletar dados do usuário, incluindo seu número de telefone e localização

Acessibilidade


Os aplicativos de mensagens Signal e Telegram estão tendo um aumento repentino na demanda depois que novos termos de serviço do rival WhatsApp espantaram usuários.

O WhatsApp, que usa a tecnologia de criptografia da Signal, estabeleceu novos termos na quarta-feira (6), pedindo aos usuários que concordem em permitir que o Facebook e suas subsidiárias coletem dados do usuário, incluindo seu número de telefone e localização.

LEIA MAIS: Hyundai diz que negocia com Apple para parceria de veículos elétricos

Alguns ativistas de privacidade classificaram a medida como “aceite nossa coleta de dados ou saia” no Twitter, e sugeriram que os usuários mudassem para aplicativos como Signal e Telegram.

A popularidade do Signal disparou ainda mais ontem (7), depois de ser endossado por Elon Musk, que tem uma das contas mais seguidas no Twitter, e pelo chefe da plataforma, Jack Dorsey.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mais de 100 mil usuários instalaram o Signal nas lojas de aplicativos da Apple e do Google nos últimos dois dias, enquanto o Telegram obteve quase 2,2 milhões de downloads, de acordo com a empresa de análise de dados Sensor Tower.

Os novos downloads do WhatsApp caíram 11% nos primeiros sete dias de 2021 em comparação com a semana anterior, mas ainda assim totalizaram cerca de 10,5 milhões de downloads globalmente, disse a Sensor Tower. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: