EXCLUSIVO: Força-tarefa aposta no sequenciamento de DNA para dimensionar impacto das queimadas no Pantanal

Consórcio multissetorial conta como o apoio de startups catarinenses para comparar áreas devastadas e preservadas

Gabriela Arbex
Compartilhe esta publicação:
 Jami Tarris/Getty Images
Jami Tarris/Getty Images

O Pantanal é o lar de 263 espécies de peixes, 122 de mamíferos, 93 de répteis, 1.032 de borboletas e 656 aves

Acessibilidade


Poucas pessoas foram capazes de não se comover com as imagens dos animais vítimas de queimaduras no Pantanal, como a da onça que, depois de se recuperar dos ferimentos nas patas, foi solta às margens do Rio Corixo Negro, em Poconé, Mato Grosso, após quase 40 dias de tratamento, e pode voltar ao seu habitat natural.

Apesar das lesões, Ousado – como o animal foi batizado – teve sorte. O número de incêndios no Pantanal no ano passado foi o mais alto desde 1998, quando começaram a ser contabilizados os registros de focos ativos pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Até o início de novembro, os cálculos do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais (Lasa), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), indicavam uma devastação de 28% do território, uma área equivalente ao tamanho da Dinamarca. O que significa que o prejuízo às espécies da fauna e da flora é imensurável e que algumas dessas populações podem, inclusive, terem desaparecido.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

Diante deste cenário, pesquisadores, empresas e terceiro setor se uniram, de maneira voluntária, na formação de um consórcio multissetorial que está conduzindo um levantamento inédito na região, capaz de identificar animais e vegetações afetadas pela queimada histórica.

Para viabilizar a iniciativa, o biólogo, especialista em biologia celular e molecular e pesquisador da Fiocruz, Alberto Dávila, idealizador do projeto, optou pelo método de coleta de amostras de solo e água da região, para posterior sequenciamento do DNA, em vez do tradicional modelo de observação, muito mais difícil e demorado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Com os resultados desses modelos teremos uma excelente estimativa de quais espécies da biodiversidade local foram mais afetadas. Será possível, então, desenhar ações de conservação mais específicas e avaliar a possibilidade de repovoamento nessas áreas”, diz Dávila.

À frente do trabalho de sequenciamento estão as startups catarinenses de biotecnologia Neoprospecta e BiomeHub. A primeira foi fundada em 2010 pelos irmãos Luiz Fernando e Luiz Felipe Valter de Oliveira com o objetivo inicial de fazer bioprospecção de novas moléculas da diversidade brasileira. Numa época em que o ecossistema de inovação não tinha tanto acesso a capital como hoje, a startup – cujo trabalho era de longo prazo –, viu-se obrigada a pivotar e passou a oferecer suas tecnologias para outros mercados. Um deles foi a indústria de alimentos, onde o conhecimento a respeito dos microrganismos pode resolver problemas como insegurança alimentar e prazos curtos de validade.

LEIA TAMBÉM: Fiocruz e Vale fazem parceira para estudar sequenciamento de DNA do coronavírus

Outro segmento onde as soluções da empresa são bem aproveitadas é o de saúde, tanto na avaliação do ambiente hospitalar, para minimizar os riscos de infecção, como das próprias bactérias que acometem os seres humanos e que, muitas vezes, exigem culturas demoradas para uma medicação mais assertiva – tempo que nem sempre o paciente pode esperar. A demanda do setor levou à criação da BiomeHub, hoje sob o comando do biólogo Luiz Felipe. “A tecnologia que usamos dispensa esse processo de cultura. A análise é feita pelo DNA da amostra dos microrganismos, o que é muito mais ágil e preciso”, explica o CEO da startup, que em 2017 recebeu o apoio do Hospital Albert Einstein e viu seu faturamento crescer 10 vezes em 2020.

Divulgação
Divulgação

Luiz Felipe Valter de Oliveira, CEO da BiomeHub: sequenciamento genético das amostras coletadas do solo e da água das regiões norte e sul do Pantanal

ANTES X DEPOIS

A expertise da BiomeHub está sendo usada para fazer, em laboratório, o sequenciamento genético das amostras coletadas do solo e da água das regiões norte e sul do Pantanal, tanto das áreas queimadas quanto daquelas que permaneceram intactas, em larga escala. As tecnologias usadas para isso são o barcoding (código de barras do DNA), meta-barcoding e DNA ambiental (eDNA).

Dessa forma, explica Alberto Dávila, que tem o Pantanal como seu objeto de estudo desde 1994, será possível identificar espécies de animais e vegetação que existem nas áreas preservadas e comparar com o que foi encontrado nas regiões queimadas, obtendo um saldo das perdas causadas pelo fogo.

“O ineditismo do projeto está no fato de usarmos a tecnologia de DNA em uma escala nunca antes realizada. Assim, teremos uma ideia mais clara sobre a real biodiversidade, não só de tudo o que é observado e capturado, mas também do que nunca ninguém viu e poderíamos perder sem conhecer”, explica Luiz Fernando, que comanda a Neoprospecta. “Esse raio-x do impacto causado vai ajudar no direcionamento da estratégia de recuperação da biodiversidade”, completa Luiz Felipe.

O recolhimento das amostras começou no mês passado e deve durar um ano. O sequenciamento genético acontece em paralelo, e os resultados parciais serão informados à sociedade periodicamente. Mas o executivo da BiomeHub explica que a intenção é que o projeto se torne algo permanente, capaz de criar um histórico e de acompanhar as ações de recuperação da região, lar de 263 espécies de peixes, 122 de mamíferos, 93 de répteis, 1.032 de borboletas e 656 aves segundo a WWF Brasil.

Essa continuidade, no entanto, depende de apoio, inclusive para determinar o tamanho da área mapeada. Até o momento, o GenomicLab, como foi batizado o consórcio, conta a colaboração de 30 pesquisadores das áreas de ecologia, zoologia, botânica e genética de 11 universidades e institutos, de uma série de entidades, como a Sociedade Brasileira de Genética e o Centro de Pesquisa do Pantanal, e de três outras empresas além das startups catarinenses: Portunus Biotech Unlocked, Atlantis Biotecnologia e Sinapse Biotecnologia.

“Na metade do ano já teremos o sequenciamento das primeiras amostras”, prevê Luiz Felipe. “Mas o objetivo da iniciativa é muito ambicioso, uma vez que passa pela reconstrução das áreas afetadas, algo que tem um potencial imenso para a região.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: