Conheça a startup que testa carnes e garante que pode ajudar a prevenir a próxima pandemia

 John Burgess/Reprodução Forbes
John Burgess/Reprodução Forbes

A Food ID afirma que está trabalhando em alguns matadouros industriais há mais de um ano

A Food ID, uma startup sediada em San Mateo, Califórnia, arrecadou US$ 12 milhões em uma rodada da Série B que, segundo ela, ajudará a melhorar a segurança e a transparência do fornecimento de carne nos Estados Unidos.

O financiamento vem da S2G Ventures e será usado para comercializar os testes de resultados rápidos da empresa que podem detectar antibióticos em animais e uma série de outros adulterantes, como metais pesados ​​em frutos do mar. A Food ID afirma que está trabalhando em alguns matadouros industriais há mais de um ano, e que seus testes estão revelando que muitas das carnes vendidas como “livres de antibióticos” não o são.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

“Há uma sensação de que os consumidores entendem o que estão comprando e há autenticidade”, diz o cofundador da Food ID, Bill Niman, criador de gado bovino de pasto do norte da Califórnia. “Sabemos que não é totalmente verdade, e quando isso ficar claro para os fornecedores e para as marcas que dependem de antibióticos que custam caro para os consumidores, estaremos muito ocupados.”

Niman diz que está oferecendo à indústria da carne sua primeira plataforma de testes abrangente e pode fornecer mais precisão e transparência para os consumidores, que estão cada vez mais procurando carne sem antibióticos e pagando por quilo em média US$ 1 a mais por ela. Uma pesquisa recente conduzida pela Zogby revelou que mais de dois terços dos entrevistados dizem que rótulos sem antibióticos são importantes para eles quando fazem compras. Mas o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) não garante a autenticidade de nenhum rótulo sem antibiótico. Anualmente, o departamento testa aleatoriamente uma fração de 1% da carne do país.

A Food ID usa o mesmo tipo de tecnologia que um teste de gravidez caseiro, o que significa que os resultados podem ser feitos internamente em vez de enviados para um laboratório externo. Isso acelera o processo de alguns dias – com a carne já enviada para supermercados – para apenas 30 minutos. Os resultados também são transmitidos diretamente para a Food ID, uma etapa crucial implementada para garantir que os matadouros não ocultem os resultados dos testes sujos. A startup também afirma que é 100 vezes mais barato do que os laboratórios independentes, embora seja 20 vezes mais sensível do que outros testes rápidos.    

Em 2014, um encontro entre Niman e Dan Denney, microbiologista e imunologista pela Universidade de Standford, levou à fundação da startup. (A dupla logo juntou forças com o veterano do Facebook e Google Kevin Lo, que agora é o CEO.) Denney havia descoberto como encaixar várias tiras de teste em um teste. Niman percebeu que isso poderia mudar o curso da resistência aos antibióticos nos Estados Unidos – que as Nações Unidas e o CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) advertiram durante anos que causaria a próxima pandemia. 

A resistência em humanos já mata mais de 150 mil norte-americanos por ano – que, por exemplo, contraem a doença normalmente devoradora de carne MRSA ou encontram cepas de superbactérias de salmonella ou escherichia coli. Em fevereiro, quando o número de mortes por coronavírus no país atingiu mais de 500 mil, o primeiro caso de transferência de gripe aviária de galinhas para humanos foi relatado na Rússia.

As vendas de antibióticos para uso na pecuária também têm aumentado recentemente, após uma grande queda quando o FDA (Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA) proibiu seu uso para o cultivo de animais em 2017, causando preocupação entre os pesquisadores. Segundo o diretor do projeto de resistência aos antibióticos da Pew, David Hyun, “quanto mais antibióticos são usados, [mais] eles contribuem para a resistência aos antibióticos. Isso tem consequências significativas para a saúde pública”.

A Food ID é apoiada por uma empresa de investimentos lançada pelo fundador do OpenTable depois que ele se destacou como seu fundador e CEO. Como cofundador da S2G, Chuck Templeton tem injetado capital inicial em startups de tecnologia como a Beyond Meat e a Trace Genomics desde então – um dos primeiros investidores a se concentrar exclusivamente na fronteira de alimentos e agricultura. Ele vê a Food ID como uma empresa que está construindo uma base de consumidores em relação aos antibióticos, mas eventualmente pode expandir para testes de outras reclamações de rótulos para os quais os consumidores pagam um prêmio: de não transgênicos a pasto e até mesmo exposição ao glifosato.

“A Food ID está começando com esse problema, sabendo que ainda existirá por um tempo”, diz Templeton. “Na verdade, trata-se de trabalhar para impedir a próxima pandemia e trazer transparência e responsabilidade para a cadeia de abastecimento.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).