Microsoft investe em programa de requalificação profissional do LinkedIn

A empres pretende colocar 50 mil pessoas em empregos que exigem habilidades tecnológicas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

O programa se concentrará inicialmente nos Estados Unidos, mas se expandirá para outros países a partir do próximo ano

Acessibilidade


A Microsoft disse hoje (30) que pretende colocar 50 mil pessoas em empregos que exigem habilidades tecnológicas, como parte de uma campanha de sua rede social LinkedIn de requalificação de trabalhadores para novos campos.

Os empregos serão criados no que a Microsoft chama de ecossistema de empresas que usam ou ajudam a vender os produtos da companhia.

LEIA TAMBÉM: Microsoft pode embolsar mais de US$ 150 milhões em novos gastos com segurança digital nos EUA

A estratégia começou no ano passado, quando o LinkedIn ofereceu gratuitamente muitos de seus cursos pagos de treinamento em habilidades digitais, que cobrem tópicos como desenvolvimento de software, análise de dados e análise financeira.

O LinkedIn informou que vai estender os cursos gratuitos até o final deste ano. A Microsoft e o LinkedIn tinham como objetivo fazer com que 25 milhões de pessoas experimentassem os cursos e disseram hoje que o número atingiu 30,7 milhões, a maioria dos Estados Unidos.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A companhia afirmou que trabalhará com grupos locais sem fins lucrativos para colocar 50 mil pessoas em empregos que exigem habilidades em tecnologia nos próximos três anos. O programa se concentrará inicialmente nos Estados Unidos, mas se expandirá para outros países a partir do próximo ano. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: