Sensores de hot-desk e paredes móveis: conheça as empresas que facilitam o retorno ao trabalho

Companhias oferecerem soluções seguras para levar os funcionários de volta ao escritório

Kristin Stoller
Compartilhe esta publicação:
FG Trade/Getty Images
FG Trade/Getty Images

Embora grande parte do escritório tenha ficado vago no ano passado, VergeSense e DIRTT planejam o retorno presencial e estão investindo em tecnologia para facilitar a transição

Acessibilidade


Se você perguntar a Dan Ryan, cofundador e CEO da empresa de sensores em local de trabalho VergeSense, se itens básicos como mesas atribuídas estariam seguindo o caminho dos aparelhos de fax e Rolodexes -, ele já apostava nisso mesmo antes de a pandemia obrigar escritórios ao redor do mundo a fechar no ano passado.

Depois de aprender sobre os métodos limitados de coleta de dados acerca das interações e movimentos das pessoas em prédios de escritórios, Ryan e o CTO Kelby Green lançaram a VergeSense em 2017. Seus sensores alimentados por inteligência artificial (IA) rastreiam os funcionários no trabalho, permitindo que os empregadores, incluindo Shell e Cisco, vejam, em tempo real, quem está no escritório, quais áreas estão em uso e se a capacidade de ocupação foi atingida. Inicialmente, a dupla criou sua tecnologia para ajudar empresas a tomarem decisões imobiliárias mais inteligentes e baseadas em dados. “Hoje, os dados serão especialmente essenciais quando os funcionários retornarem cautelosamente aos seus escritórios”, diz Ryan.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

“Muitas empresas estão reformulando completamente a forma como pensam a estratégia do local de trabalho físico”, diz ele. “O escritório precisa se tornar muito mais adaptável, muito mais flexível.”

Com US$ 22 milhões em financiamento de investidores, incluindo Tola Capital e Allegion Ventures, a VergeSense, sediada em São Francisco, controla mais de 3,7 milhões de metros quadrados de escritórios. Embora grande parte deste espaço tenha ficado vago no ano passado, Ryan diz que muitos de seus clientes estão planejando seus retornos e investindo em tecnologia para facilitar a transição.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Por exemplo, algumas empresas estão considerando eliminar as mesas atribuídas, adotando sistemas hot-desk, em que vários funcionários usam uma única estação de trabalho física em uma base rotativa. Os funcionários cujas empresas usam o VergeSense podem usar sua plataforma para reservar mesas e salas de conferência disponíveis”, afirma.

“O sensor pode interpretar o ambiente físico da mesma forma que um humano faria”, diz Ryan. “Ele pode detectar se há ou não coisas em uma mesa ou na sala de conferências, como uma jaqueta, mochila, bolsa, etc., e então colocar esses dados em nossa plataforma para que as pessoas tenham uma representação muito mais precisa de se o espaço está ocupado ou não.”

Ele explica que isso não só pode promover o distanciamento social, mas também pode ajudar no saneamento. Normalmente, os escritórios são limpos andar por andar, de acordo com um cronograma. Com os dados da VergeSense, os funcionários de manutenção das instalações podem localizar espaços de alto uso para limpeza.
Ferramentas como as da VergeSense deixarão os funcionários com medo de serem rastreados? Amy C. Edmondson, professora de liderança e gestão da Harvard Business School, diz que depende de quão bem as empresas comunicam o propósito da ferramenta aos trabalhadores. “Se as pessoas virem a ferramenta como uma ameaça ou uma verificação, ficarão menos entusiasmadas. Se considerarem isso como reconfortante e como algo que os ajudará a ter certeza de que o espaço é fisicamente seguro, ficarão gratas.”

Ryan diz que a ferramenta da VergeSense foi projetada com a privacidade em mente, pois fornece às empresas um conjunto de dados anônimo. Seu sensor processa imagens de resolução ultra baixa, então é impossível para seus sensores capturar informações pessoalmente identificáveis, de acordo com a empresa.

Em Calgary, no Canadá, a empresa de interiores modulares DIRTT também está ajudando as organizações a programar o retorno aos escritórios. Suas paredes e portas podem ser criadas em questão de semanas e facilmente movidas e reconfiguradas com base nas necessidades de mudança das empresas. O CEO, Kevin O’Meara, diz que seus clientes já estão usando essas soluções para preparar os escritórios para o local de trabalho no pós-pandemia.
Antes da crise de saúde, por exemplo, a maioria dos funcionários fazia trabalho individual em plantas baixas abertas e trabalho em equipe em salas de conferência. Agora, ele diz que os empregadores querem transformar áreas fechadas em escritórios individuais e abertos em espaços colaborativos, de modo a estimular o distanciamento social.

Essas soluções ainda serão necessárias quando for seguro voltar ao escritório? O’Meara acredita que sim.

“[Uma] parte é a psicologia de todos. As autoridades de saúde pública podem jurar que é perfeitamente seguro voltar ao escritório como antes. Mas as pessoas têm memórias e serão muito, muito ariscos”, diz ele. “Projete o melhor espaço para você da forma como você o entende e esteja preparado para ser flexível e ouvir sua equipe.”
Mesmo com as empresas investindo em tecnologia para retornar aos escritórios físicos, Steve Koenig, analista sênior da SMBC Nikko Securities America, prevê que elas aumentarão os gastos com inovações que tornam possíveis os modelos de trabalho híbridos. Ele aponta o software de fluxo de trabalho ServiceNow e a plataforma de gerenciamento de relacionamento com o cliente Pegasystems como exemplos de empresas que poderiam se tornar tão comuns no futuro do trabalho quanto Zoom, Slack e Microsoft Teams se tornaram no ano passado.

“Quando veio a pandemia, as empresas tiveram que se concentrar primeiro nos curativos. Elas tiveram que provisionar funcionários remotos com VPN e dispositivos. Eram basicamente soluções temporárias”, diz Koenig. “Agora, as empresas com visão mais avançada adotarão essas tecnologias para dar-lhes mais flexibilidade, o que as ajudará a atrair e reter talentos.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: