Conheça a startup que cresceu sem qualquer investimento externo e hoje é avaliada em quase US$ 1 bilhão

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Itai Lahan diz que a companhia simplesmente nunca precisou de dinheiro de risco

Itai Lahan insiste que empreendedores ambiciosos certamente deveriam encher seus cofres com dinheiro de capitalistas de risco, se tivessem a chance. “A única maneira consistente de se tornar uma empresa de bilhões de dólares é seguir a rota do VC (capital de risco, da sigla em inglês)”, declara o CEO da Cloudinary. “Isso, sem dúvida, sempre vencerá.”

No entanto, em um caso clássico de ‘faça o que eu digo, não o que eu faço’, Lahan recusou várias vezes o financiamento de risco desde o lançamento da Cloudinary em 2012. Em vez disso, ele e seus colegas cofundadores israelenses, Nadav Soferman e Tal Lev-Ami, fizeram um bootstrapping – criar usando somente recursos próprios – de sua startup sediada em Santa Clara, Califórnia, para o status de quase unicórnio. A empresa faz software que ajuda os CIOs de quase 7.500 clientes, incluindo nomes conhecidos como Nike, Peloton e Neiman Marcus, a gerenciar seu conteúdo de marketing online – pensa em vídeos, logotipos e fotos de produtos.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

A receita cresceu cerca de 40% no ano passado, atingindo cerca de US$ 70 milhões, e hoje a empresa vale, pelo menos, US$ 900 milhões. Nos últimos três anos, a Cloudinary apareceu na lista Forbes Cloud 100.

Lahan diz que a companhia simplesmente nunca precisou de dinheiro de risco. Os fundadores tiveram a ideia para o negócio enquanto dirigiam uma empresa de consultoria em Israel que construía tecnologia para outras startups. O software que eles usavam para gerenciar vídeos e fotos os convenceu a criar algo melhor. Seus clientes de consultoria foram os primeiros clientes da Cloudinary, o que lhe permitiu obter lucro assim que abriu suas portas. Desde então, gerou dinheiro suficiente – o fluxo de caixa medido pelo Ebitda no ano passado foi estimado em US$ 6 milhões, ou cerca de 9% das vendas – para financiar seus planos de crescimento a cada ano e construir uma equipe de 300 pessoas.

“Tivemos a sorte de crescer muito rápido logo no início. Estávamos recebendo dinheiro de nossos clientes e era mais do que suficiente para atingir nossas metas para o próximo ano, que eram incrivelmente altas”, diz Lahan.

O software da Cloudinary automatiza o trabalho penoso de redimensionar e reformatar conteúdo digital para dispositivos e navegadores da web, e garante que vídeos e fotos carreguem na velocidade da luz – uma necessidade em uma era em que os consumidores clicarão em outro lugar ao se deparar com o menor atraso. A Cloudinary também usa a inteligência artificial para sugerir a melhor forma de apresentar fotos e vídeos para chamar a atenção das pessoas. Quanto mais matéria-prima digital passar por seus algoritmos, que atualmente processam entre 500 e 2.000 peças de conteúdo por segundo, melhor eles conseguem prever o que atrairá olhos e cliques.

Isso protege as marcas e também as promove. Empresas como a Bleacher Report utilizam o software da Cloudinary para vasculhar vídeos enviados por pessoas para determinar se eles contêm imagens pornográficas ou outro material ofensivo.

Para fisgar os CIOs, a Cloudinary oferece um serviço gratuito com limites rigorosos de volume. Ele ganha dinheiro cobrando de usuários frequentes. Os negócios anuais podem chegar a milhões de dólares de um único dígito. No final de 2018, gerenciava 25 bilhões de ativos digitais; no final do ano passado, esse número havia saltado para 50 bilhões – e deve continuar crescendo, mesmo que o boom do comércio eletrônico alimentado pela pandemia diminua. Em 2020, as vendas online totais nos EUA atingiram US$ 813 bilhões, um aumento de 42% ano a ano, de acordo com a Adobe, que prevê que passarão de US$ 1 trilhão pela primeira vez em 2022.

Algumas outras empresas de nuvem notáveis, incluindo a fabricante de software de gerenciamento de projetos Atlassian e a Qualtrics, a empresa de análise de dados de Utah que acabou sendo adquirida pela SAP por US$ 8 bilhões, alcançaram um tamanho considerável antes de abrir o capital. Se as startups da nuvem encontrarem um grupo de fãs desde o início, o marketing boca a boca pode manter os custos baixos, de acordo com Jason Lemkin, CEO da SaaStr, uma empresa de capital de risco. “Assim que chegar a alguns milhões de receita. . . você pode ter um fluxo de caixa positivo porque seus clientes [atuais] criarão um fluxo de clientes futuros para você.”

Poucas startups têm essa sorte, e é por isso que Lahan acha que quase todos os empreendedores deveriam pegar capital de risco quando buscam receita. “É um jogo de números. Está bem pensado. [O financiamento de risco tem] toneladas de vantagens, uma quantidade incrível de vantagens”, afirma.

Existem desvantagens também. As startups geralmente têm que aturar investidores em conselhos que os direcionam ao longo de um caminho estreito em direção a uma oferta pública esperada. Isso não é algo com que os fundadores da Cloudinary precisaram se preocupar. (A empresa nem mesmo tem um conselho.) Depois que a pandemia começou, eles pararam de contratar, mas não demitiram ninguém. Eles também cortaram a meta de receita da empresa para 2020 em quase US$ 8 milhões, para tirar um pouco da pressão sobre a equipe e ajudar os clientes em dificuldades financeiras, adiando pagamentos e oferecendo descontos. Lahan diz que não tem certeza se o conselho teria apoiado essas iniciativas.

Outra vantagem importante de não ter investidores externos é que os três fundadores ainda possuem pouco mais da metade do negócio. Parte do patrimônio remanescente é detido pela equipe. A Cloudinary organizou algumas transações secundárias para permitir que os funcionários vendessem ações. Isso possibilitou que duas empresas de capital de risco, Bessemer Venture Partners e Salesforce Ventures, também tivessem influência no processo, embora sua participação coletiva seja pequena.

Ainda assim, Lahan pode finalmente estar disposto a seguir seu próprio conselho. “Estou confiante de que precisaremos de financiamento [externo]. No momento em que precisarmos, se um IPO (Oferta Pública Inicial, na sigla em inglês) for o caminho certo a seguir, faremos um IPO.” Mas ele sugere outras opções, incluindo a possibilidade de recorrer a fundos de risco em estágio avançado. Se Cloudinary seguir esse caminho, será o caso de Lahan começar a agir.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).