Unidade de drones da Alphabet pede autorização dos EUA para expandir as operações

A Wing Aviation solicitou a flexibilização das regras envolvendo drones à FAA (Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos)

Redação
Compartilhe esta publicação:
Richard Newstead/Getty Images
Richard Newstead/Getty Images

A empresa não registra acidentes há mais de 17 meses

Acessibilidade


A Wing Aviation, do grupo Alphabet, pediu à FAA (Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos) a flexibilização das regras envolvendo drones. O pedido tem como objetivo a expansão das operações do grupo por todo o país, afirmou o órgão norte-americano hoje (23).

Desde 2019, a Wing realizou milhares de voos de entrega de produtos em residências de moradores de Christiansburg, no estado de Virgínia.

LEIA MAIS: Alphabet tem resultado acima do esperado com retomada de anúncios do Google

“A Wing está agora almejando expandir e melhorar essas operações, para servir a novas comunidades”, disse a Wing ao solicitar à FAA a dispensa de algumas regras. A entidade disse que analisará as reações públicas sobre a petição antes de tomar uma decisão.

A Wing disse recentemente que fez “investimentos substanciais” para aumentar a segurança e a capacidade das operações de drones nos EUA. A empresa não registra acidentes há mais de 17 meses.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A companhia quer a aprovação para consolidar as operações de piloto remoto de instalações locais “capazes de controlar com segurança um grande número de aeronaves simultaneamente”.

A empresa disse ainda que, à medida que expande suas operações, planeja usar um modelo de drone derivado da versão atual “que se mostrou confiável em operações comerciais e é altamente semelhante em suas características operacionais”. Apesar disso, a aeronave precisa da permissão da FAA para voar.

Além disso, a empresa também pediu à FAA que conduza verificações a cada 12 meses, uma frequência bem menor do que os três meses que as regras estabelecem atualmente. O grupo alega que as mudanças propostas “ajudarão a garantir que mais famílias americanas possam experimentar os benefícios da tecnologia (dos drones)”.

Novas regras da FAA entram em vigor oficialmente na última quarta-feira, permitindo que pequenos drones sobrevoem pessoas e também voem à noite sem precisarem de autorizações do governo. As regras tratam de questões de segurança, exigindo tecnologia de identificação remota que permitem a identificação do drone a partir do solo. (Com Reuters)

 

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: