EXCLUSIVO: Honey Island prepara terceiro fundo para investir até R$ 100 milhões em startups

O novo veículo de investimentos dos fundadores do Ebanx será dedicado a companhias ainda em estágio inicial, que estão validando seus produtos e serviços

Angelica Mari e Matheus Riga
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Os três fundadores do fundo Honey Island Capital também fundaram a fintech Ebanx (da direita para a esquerda): Alphonse Voigt, Wagner Ruiz e João Del Valle

Acessibilidade


O fundo de investimento Honey Island Capital, criado pelos fundadores do unicórnio de pagamentos Ebanx, se prepara para começar seu terceiro ciclo de aportes em startups. Com target de R$ 70 milhões, o fundo fará investimentos entre R$ 60 milhões e R$ 100 milhões, que podem envolver co-investimentos, de acordo com a sócia-gestora Mariana Foresti. O foco continuará em empresas de tecnologia early stage (estágio inicial, em português). Sendo assim, a injeção de recursos financeiros continuará nas etapas semente e série A, as primeiras da “escada de financiamento”. A previsão é de que os investidores comecem a procurar companhias em breve, nos próximos dois meses.

Criado pelos três fundadores do Ebanx – Alphonse Voigt, João Del Valle e Wagner Ruiz – e o CEO da Tecnofit, Antonio Maganhotte, em 2015, o Honey Island atualmente tem Mariana e o economista Leonardo Jianoti como gestores. Grande parte dos recursos, no entanto, continuarão vindo dos criadores da fintech. “Nós do Ebanx seremos a âncora desses investimentos, mas nós vamos adicionar capital externo também”, afirmou o novo CEO da empresa de pagamentos, João Del Valle, em entrevista à Forbes.

VEJA TAMBÉM: Com nova captação no horizonte, Ebanx faz mudanças na sua liderança corporativa

Embora a maior parte dos recursos coletados pela Honey Island continue vindo dos sócios, já há uma movimentação para trazer novos investidores para dentro da casa. “Estamos procurando muitos family offices e grupos econômicos da região”, afirma Del Valle. “Percebemos que investidores tradicionais querem experimentar e alocar parte de seu patrimônio em startups em estágio inicial.” Segundo ele, o mercado está com alta liquidez, o que torna esse tipo de ativo atraente.

O capital, no entanto, não é o único recurso oferecido para as startups investidas pelo Honey Island. Além disso, o fundo também aproxima os empreendedores a uma rede com mais de trinta mentores e empresas parceiras, como a AWS (Amazon Web Services), IBM, Zendesk e Hubspot. O intuito é oferecer ferramentas para que as startups possam desenvolver seu modelo de negócio, validar seus produtos e serviços e ganhar escalabilidade.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Os dois primeiros fundos da Honey Island resultaram em um portfólio de 14 empresas em seu portfólio. As startups são dos mais variados setores, passando desde o varejo digital até o agronegócio.

Um exemplo recente de crescimento impulsionado pela Honey Island é da startup Omnichat. Em janeiro de 2020, a companhia recebeu um investimento entre R$ 1 milhão e R$ 2 milhões do fundo. Doze meses depois, conseguiu consolidar seu modelo de negócio e atrair a atenção de investidores da Kaszek Ventures, que aportaram R$ 20 milhões na companhia em uma rodada série A.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: