Pesquisa revela quais são as características dos fundadores de unicórnios

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Ali Tamaseb mudou-se para o Vale do Silício para se tornar um empresário após cursar o ensino superior na universidade Imperial College London

O investidor de risco Ali Tamaseb quer acabar com algumas ideias clássicas relacionadas aos fundadores de tecnologia. O que abandonou a faculdade. Os técnicos voltados para vendas. O visionário que cria um novo mercado por pura vontade. Anos de pesquisa – e 30 mil dados em 65 critérios sobre empresas de bilhões de dólares – o convenceram de que essas são boas histórias, e nada mais.

“Muito da nossa percepção sobre como são fundadores e empresas de sucesso vem dos exemplos mais famosos. As pessoas acham que sucesso ou fracasso se parecem com os cinco ou 10 exemplos que viram”, argumenta Tamaseb.

VEJA TAMBÉM: O mundo dos unicórnios: MadeiraMadeira

Nos últimos quatro anos, o investidor trabalhou para testar essas suposições por meio do novo livro, “Super Founders” (“Super Fundadores”, em tradução livre). Segundo ele, os resultados podem dissipar alguns mitos sobre o que procurar em empreendedores, ajudando assim a remover preconceitos que mantém apenas a imagem de fundadores que parecem receber milhões de capital de risco.

Sócio da empresa de tecnologia DCVC, Tamaseb, de ascendência iraniana, mudou-se para o Vale do Silício para se tornar um empresário após cursar o ensino superior na universidade Imperial College London. Em 2018, depois de mudar o foco para o capital de risco, publicou uma postagem que viralizou no Medium que detalhava os primeiros resultados de sua pesquisa sobre os fundadores de unicórnios. Isso formou a espinha dorsal do projeto do livro, cujos destaques o investidor compartilhou com os assinantes da newsletter “Midas Touch” no fim de semana.

Além de entrevistas e relatos pessoais dos principais cofundadores de startups, o livro acrescentou algo que os críticos pediram depois que suas descobertas iniciais foram a público: um grupo de controle. Enquanto cada startup que levantou capital de risco e atingiu uma avaliação de bilhões de dólares era elegível para inclusão no conjunto de dados do unicórnio, Tamaseb adicionou uma linha de base de várias centenas de startups que não alcançaram esse marco como um ponto de comparação de amostra aleatória.

O que ele descobriu: o número de cofundadores de uma empresa e a idade de seus fundadores não são relacionados à probabilidade de ela, eventualmente, se tornar uma companhia de bilhões de dólares. A combinação entre técnicos e não técnicos também não foi mais popular, já que a pesquisa de Tamaseb mostrou que os cofundadores tendiam a formar pares com parceiros de formação semelhantes.

Outros destaques dos fundadores de startups de bilhões de dólares:

  • 85% das empresas tinham concorrentes no lançamento
  • 30% dos fundadores trabalhavam no mesmo setor antes
  • 17% dos unicórnios fracassaram completamente nos últimos 15 anos
  • 4% de evasão universitária, menor que o número de doutores
  • 1,6 vezes: a probabilidade de um fundador com uma falha de inicialização anterior atingir uma avaliação de US$ 1 bilhão em comparação com um iniciante

Embora a pesquisa de Tamaseb tenha demonstrado que fundadores recorrentes têm mais probabilidade de alcançar o status de unicórnio, ele diz que os investidores que acreditam que deveriam apoiar apenas empreendedores em série com grandes saídas perderão o foco. Para ele, construir qualquer coisa, mesmo um projeto paralelo ou sem fins lucrativos, se correlaciona com o sucesso posterior: “A prática leva à perfeição, mesmo no empreendedorismo”.

Como investidor, Tamaseb diz que o processo o ensinou a não permitir que a correspondência de padrões o desencoraje de uma oportunidade de inicialização potencialmente interessante. “Se um fundador ou equipe, ou a ideia, é excepcional, não vou deixar que preconceitos me impeçam de apoiar uma empresa única”, diz ele.

Alguns dos dados eram menos encorajadores: quando se tratava de financiamento de risco, os unicórnios, provavelmente, teriam levantado muito capital de companhias de renome rapidamente. As empresas de unicórnios tendem a arrecadar quase o dobro dos não-unicórnios na primeira rodada de financiamento (US$ 4 milhões a US$ 2,2 milhões) e mais do que o triplo na segunda rodada (US$ 15 milhões a US$ 4 milhões). E enquanto 60% dos unicórnios levantaram um investimento semente ou série A de uma empresa de capital de risco de “nível um”, apenas 18% da amostra aleatória de startups o fez. “Isso mostra como é difícil o trabalho de um investidor de risco se você não tem o nome de marcas como Sequoia ou Accel”, diz ele.

Tamaseb diz que não rastreou gênero ou raça entre os fundadores, após perceber rapidamente que os dados seriam sombrios o suficiente para serem contraproducentes. Ele ainda estava abalado com a falta de diversidade socioeconômica entre os fundadores de unicórnios como um grupo. “Sua história, sua família, muitas dessas coisas são fatores que influenciam as escolas que você frequenta, se você pode reprovar, se pode abrir uma empresa logo após a faculdade, se não precisa se preocupar com sua dívida estudantil ou pode abrir uma empresa logo após seu MBA”, diz. O investidor planeja doar pelo menos parte dos lucros de seu livro para causas que promovam a mobilidade social ascendente.

No geral, Tamaseb espera que seu projeto incentive os empresários a “sair, construir, repetir”, diz ele. Quanto aos investidores: “essas regras de proxy que pensamos estar relacionadas ao sucesso, vamos esquecê-las”.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).