5 maiores aquisições no setor brasileiro de telecomunicações em 2020

De acordo com levantamento da boutique RGS Partners, o ano passado bateu o recorde em negociações de M&A, com 16 no total.

Matheus Riga
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

De acordo com um levantamento realizado pela boutique RGS Partners, foram 16 acordos de M&As nos últimos 12 meses dentro do setor de telecomunicações

Acessibilidade


O mercado brasileiro de telecomunicações teve, em 2020, o seu ano mais movimentado na última década, pelo menos no que diz respeito a fusões e aquisições realizadas por empresas do setor. De acordo com um levantamento realizado pela boutique RGS Partners, foram 16 acordos de M&As registrados durante os 12 meses, marca que ultrapassou o resultado de 2015 e 2011, que ostentavam a melhor marca da década, com 15 contratos firmados em cada um.

Para o sócio do RGS Partners, Fábio Jamra, a pandemia foi um dos fatores impulsionadores do mercado de telecomunicações à medida que novas empresas do setor cresceram ao oferecerem serviços de banda larga em cidades pequenas e médias, chamando atenção e potencializando M&As. “As grandes companhias não fizeram investimentos suficientes nos últimos anos para prover essa carência [de banda larga em municípios menores], o que abriu espaço para que as médias se capitalizassem e estabelecessem um plano de crescimento arrojado com base em aquisições.”

VEJA TAMBÉM: Conheça a startup que levantou US$ 110 milhões para fazer seu celular funcionar em qualquer lugar

O movimento observado no Brasil é parecido ao que aconteceu no restante do mundo. Globalmente, as companhias de telecomunicações realizaram 430 operações de fusões e aquisições em 2020. Esse número é o melhor resultado do setor desde 2015, quando foram registrados 474 acordos. Na década, no entanto, a melhor marca permanece sendo a de 2010, quando 522 contratos foram fechados com foco em M&As. Em volume financeiro, porém, o ano passado fica na vice-liderança no período dos últimos dez anos, com US$ 182 bilhões movimentados, atrás somente de 2013, com US$ 216 bilhões.

Confira, na galeria abaixo, as cinco maiores transações de fusões e aquisições realizadas no ano passado no Brasil, elencadas pela RGS Partners:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
  • 1. Oi Móvel

    Valor: US$ 3,2 bilhões
    Compradores: Claro, TIM e Vivo
    Data: 14/12/2020

    A maior aquisição do ano passado no Brasil não poderia ser outra. As três maiores operadoras de telefonia do país – Vivo, Claro e TIM – adquiriram, em conjunto, a unidade Oi Móvel por US$ 3,2 bilhões (R$ 16,5 milhões) em um leilão. Os mais de 30 milhões de clientes serão divididos entre as três compradoras, mas a proporção não foi divulgada.

    Rafael Henrique/SOPA Images/LightRocket/Getty Images
  • 2. Copel Telecomunicações

    Valor: US$ 571,5 milhões
    Comprador: Bordeaux/Planner
    Data: 09/11/2020

    Em outro leilão, a unidade de telecomunicações da Copel (Companhia Paranaense de Energia) foi vendida por US$ 571,5 milhões para o fundo de investimentos Bordeaux, representado pela corretora de valores Planner. A unidade de negócio da estatal comercializa planos de fibra ótica para pessoas físicas e empresas no estado do Paraná.

    Getty Images
  • 3. Pheonix Tower do Brasil

    Valor: US$ 460 milhões
    Comprador: Highline
    Data: 24/11/2020

    A provedora de infraestrutura para telefonias móveis Highline, que é comandada pelo fundo Digital Colony, adquiriu a rival Pheonix Tower por US$ 460 milhões. A compra foi uma forma de ampliar o número de torres controladas pela companhia, estendendo sua atuação pelo Brasil.

    Getty Images
  • 4. Oi (torres)

    Valor: US$ 202,3 milhões
    Comprador: Highline
    Data: 26/11/2020

    Com a compra da unidade de negócio de torres móveis da Oi no ano passado, a Highline conseguiu cravar a presença em mais uma posição no top 5 das maiores transações do setor de telecomunicações do Brasil. O acordo foi firmado em um leilão, e o valor combinado foi de US$ 202,3 milhões (R$ 1,077 bilhão).

    Getty Images
  • 5. Oi (data center)

    Valor: US$ 61,1 milhões
    Comprador: Piemonte
    Data: 26/11/2020

    A unidade de data centers da Oi, que contava com cinco centros de processamento de dados, foi mais uma parte do negócio da telefonia móvel vendida no ano passado, como parte do plano de recuperação da companhia. A vertical foi negociada por US$ 61,1 milhões para o fundo Titan Venture Capital, controlador da Piemonte, instituição de gestão de ativos e serviços financeiros.

    Getty Images

1. Oi Móvel

Valor: US$ 3,2 bilhões
Compradores: Claro, TIM e Vivo
Data: 14/12/2020

A maior aquisição do ano passado no Brasil não poderia ser outra. As três maiores operadoras de telefonia do país – Vivo, Claro e TIM – adquiriram, em conjunto, a unidade Oi Móvel por US$ 3,2 bilhões (R$ 16,5 milhões) em um leilão. Os mais de 30 milhões de clientes serão divididos entre as três compradoras, mas a proporção não foi divulgada.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: