Biden proibirá investimento em 59 empresas chinesas de defesa e tecnologia

A nova ordem sinaliza a intenção do governo de garantir que os norte-americanos não financiem o complexo industrial militar da China

Redação
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

A nova ordem sinaliza a intenção do governo de garantir que os norte-americanos não financiem o complexo industrial militar da China

Acessibilidade


O governo Biden emitirá uma nova ordem executiva hoje (3) que proíbe entidades norte-americanas de comprar ou vender valores mobiliários negociados em bolsa para 59 empresas chinesas com supostos vínculos com os setores de tecnologia de defesa ou vigilância, disseram altos funcionários do governo.

O Departamento do Tesouro aplicará e atualizará em uma “base contínua” a nova lista de proibição, que substitui uma do Departamento de Defesa, disseram as autoridades, observando que a política entraria em vigor em 2 de agosto.

LEIA MAIS: Amanda Graciano fala sobre os planos do Cubo para o ecossistema de startups

A nova ordem, que é um esforço para tornar uma proibição semelhante da era Trump mais legalmente válida, sinaliza a intenção do governo de “garantir que os norte-americanos não financiem o complexo industrial militar da República Popular da China”, um dos altos funcionários disse a repórteres.

A inclusão de empresas chinesas de tecnologia de vigilância expandiu o escopo da ordem anterior, disseram as autoridades. “Esperamos plenamente que, nos próximos meses, estaremos adicionando outras empresas às restrições da nova ordem executiva”, disse um funcionário.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O presidente Joe Biden tem revisado vários aspectos da política dos EUA em relação à China, e seu governo atrasou a implementação da ordem anterior enquanto formulava sua nova estrutura de política.

O movimento faz parte de uma série mais ampla de medidas para conter a China, incluindo o reforço das alianças dos EUA e a busca de grandes investimentos domésticos para impulsionar a competitividade econômica do país, em meio a relações cada vez mais azedas entre os dois países mais poderosos do mundo.

O Departamento do Tesouro deve divulgar a lista completa ainda hoje (3), e dar orientações sobre o que significa o escopo da tecnologia de vigilância, incluindo se as empresas estão facilitando a “repressão ou sérios abusos aos direitos humanos” dentro ou fora da China, disse um dos funcionários.

“Nós realmente queremos ter certeza de que quaisquer proibições futuras sejam legalmente sólidas. Portanto, nossas primeiras listagens realmente refletem isso”, disse um segundo funcionário sênior do governo. Os investidores teriam tempo para “desfazer” os investimentos, disse um terceiro funcionário. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: