Como será o futuro dos carros velozes e furiosos em um mundo de máquinas autônomas baseadas em IA?

Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Os carros com turbocompressor usados ​​na franquia “Velozes e Furiosos” merecem um olhar mais atento, junto com uma visão do futuro dos carros com direção de IA

Carros velozes e furiosos. Uma mistura potente e volátil é, aparentemente, criada combinando estes elementos em um único automóvel. Deveriam fazer um filme com base nesse tema. Apenas uma ideia maluca.

Alguém já pensou nisso. A franquia “Velozes e Furiosos”, certamente, parece saber sobre carros e, especialmente, sobre o que as pessoas querem. Os filmes, séries de TV, videogames e até passeios em parques temáticos estão ostensivamente cheios de ação, com assaltos bizarros, espiões ingênuos, vilões exagerados e, claro, carros.

LEIA TAMBÉM: A psicologia por trás do sucesso de “Velozes e Furiosos”

Mas veja bem, não é qualquer carro. São carros velozes e furiosos. O que isso significa exatamente?

Vamos dar uma olhada nos automóveis usados ​​na famosa franquia para ver se conseguimos perceber o que significa ser veloz e furioso.

Em primeiro lugar, os carros são, geralmente, reais, em vez de objetos imaginários que foram concebidos simplesmente com o propósito de fazer um filme. Normalmente, a ideia é escolher automóveis já existentes e fazer apenas algumas atualizações para transformá-los em superpotentes. Uma mudança muito maior do que apenas aprimorá-los um pouco. A proposta é inventar um carro dos sonhos injetando os esteróides automotivos mais potentes conhecidos pela humanidade.

A origem precisa ser um automóvel que já seja adequado o suficiente para ser ungido como rápido e furioso. Não dá pra começar com um carro ruim. O veículo original deve ser reconhecido como um carro bacana (embora nem todos concordem necessariamente com isso).

O carro já precisa ser rápido, ou deve ser feito para ser rápido. Isso significa que sob o capô deve haver muitos cavalos de potência. Turbinar o motor irá levá-lo ainda mais à forma de foguete que precisa ser obtida.

Provavelmente, o carro original já é conhecido por ser externamente atrativo. Muitos olham com inveja para aqueles que possuem e exibem esse tipo de automóvel. O veículo é considerado estiloso. A cultura já tem feito canções sobre esse tipo de carro, ou apresentado o veículo em outros filmes da moda. Pessoas legais dirigem e apreciam esse carro.

Também é esperado que o modelo-base dos carros velozes e furiosos tenha participado de alguma corrida. Às vezes, estas máquinas são usadas em provas ilegais em estradas ou rodovias. Também é necessário conseguir dirigir esses carros.

Talvez isso pareça óbvio. Comumente, espera-se que um ser humano se sente atrás do volante e dirija a maravilhosa máquina automotiva. No entanto, algumas pessoas simplesmente não são adequadas para dirigir esse tipo de carro. Portanto, você tem que ser o tipo certo de motorista.

Uma análise recente feita por um aficionado da indústria automotiva apresentou uma lista proclamada dos dez melhores carros da franquia “Velozes e Furiosos”. Esta é uma classificação inteiramente baseada em opinião e pode ser rapidamente discutida.

Se você é um entusiasta da mecânica e da tecnologia, e já fez um ranking dos seus carros preferidos da franquia norte-americana, prepare-se. Talvez você fique irritado, caso os seus favoritos não estejam na lista.

De qualquer forma, aqui está o ranking:

1997 Mazda RX-7 Veilside (“Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio”, 2006)
2000 Honda S2000 (“+ Velozes + Furiosos”, 2003)
1971 Chevrolet Monte Carlo (“Velozes e Furiosos: Desafio em Tóquio”, 2006)
The Flip Car (“Velozes e Furiosos 6”, 2013)
1995 Mitsubishi Eclipse (“Velozes e Furiosos”)
Land Rover Defender (“Velozes e Furiosos 8”, 2017)
W Motors Lykan HyperSport (“Velozes & Furiosos 7”, 2015)
1999 Ford F-150 SVT Lightning (“Velozes e Furiosos”)
1971 Jensen Interceptor (“Velozes e Furiosos 6”, 2013)
1970 Dodge Charger R/T (“Velozes & Furiosos 7”, 2015)

O que você acha deste ranking? Pode ser que você ache a lista certeira. Os parabéns vão para quem a fez. Por outro lado, o ranking pode ser irritante. Como eles poderiam incluir tal e tal? Por que diabos não incluíram o outro tal e tal? E assim por diante.

Para aqueles que não gostam muito de carros, a lista talvez seja ligeiramente interessante, mas não gera nenhuma atenção. Claro, você pode estar dizendo a si mesmo “parece ser um conjunto razoável de escolhas, mas não sou muito chegado no tema”.

Podemos seguir em frente e adicionar um toque a todas as manobras.

LEIA MAIS: Maserati lança SUV em parceria com o chef italiano Massimo Bottura

Lembre-se de que há pouco enfatizei que todos esses carros exigem um motorista humano. Ouso dizer que não esperaríamos nada além de automóveis movidos por pessoas, já que é isso que os veículos de hoje geralmente exigem: um humano ao volante.

Considere que o futuro dos carros consiste em verdadeiros carros autônomos baseados em IA (Inteligência Artificial).

Não há um motorista humano envolvido em um carro que dirige sozinho. Lembre-se de que os verdadeiros veículos autônomos são conduzidos por um sistema de direção IA. Não há necessidade de um motorista ao volante, muito menos um humano dirigindo o automóvel.
Mas existe uma questão intrigante que vale a pena ponderar: qual será o futuro dos velozes e furiosos, quando houver um predomínio de carros autônomos verdadeiros baseados em IA?

Antes de entrar em detalhes, gostaria de esclarecer melhor o que quero dizer quando me refiro a verdadeiros carros autônomos.

Compreendendo os níveis de carros autônomos

Os verdadeiros carros autônomos são aqueles em que a IA dirige o veículo inteiramente, por conta própria, sem nenhuma assistência humana durante a tarefa de dirigir.

Esses veículos sem motorista são considerados de nível 4 e nível 5, enquanto um carro que requer um motorista humano para compartilhar o esforço de direção é, geralmente, considerado um nível 2 ou nível 3. Os automóveis guiados por humanos são descritos como semi-autônomos e, normalmente, contém uma variedade de complementos automatizados que são referidos como ADAS (Sistemas Avançados de Assistência ao Motorista, da sigla em inglês).

Ainda não existe um carro autônomo de nível 5. E não sabemos se será possível alcançar isso, e nem quanto tempo levará para fabricá-lo.

Enquanto isso, os esforços de nível 4 estão, gradualmente, tentando obter alguma tração passando por testes muito estreitos e seletivos em estradas, embora haja controvérsia sobre se eles devem ser permitidos por si só (alguns afirmam que somos todos cobaias de vida ou morte em um experimento ocorrendo em nossas rodovias).

Uma vez que os carros semi-autônomos requerem um motorista humano, a adoção desses veículos não será muito diferente do que dirigir automóveis convencionais. Então, não há muitas novidades para discutir sobre eles neste tópico (embora, como você verá em um momento, os pontos feitos a seguir são geralmente aplicáveis).

Para esse tipo de veículo, é importante que o público seja avisado sobre um aspecto preocupante que vem surgindo ultimamente: apesar dos motoristas humanos que continuam postando vídeos dormindo ao volante de um carro nível 2 ou nível 3, nós não podemos acreditar que o motorista pode desviar sua atenção ao dirigir, mesmo com um carro semi-autônomo.

Você é a parte responsável pelas ações de direção do veículo, independentemente de quanta automação possa ser lançada em um nível 2 ou nível 3.

Carros autônomos e velozes e furiosos

Para os verdadeiros veículos autônomos de nível 4 e nível 5, não haverá um motorista humano envolvido na tarefa de dirigir: quem conduz é a IA e todos os ocupantes são passageiros.

Um aspecto a se observar envolve o fato de que a IA implementada nos atuais sistemas de direção não é sensível. Em outras palavras, a tecnologia é um conjunto de programação e algoritmos baseados em computação e, com certeza, incapaz de raciocinar da mesma maneira que os humanos.

Por que essa ênfase adicional sobre a IA não ser sensível? Porque quero enfatizar que, ao discutir o papel do sistema de direção da IA, não estou atribuindo qualidades humanas à tecnologia. Esteja ciente de que existe uma tendência contínua e perigosa atualmente de atribuir características humanas à IA. Essencialmente, as pessoas estão atribuindo uma sensibilidade semelhante à humana à tecnologia de hoje, apesar do fato inegável e indiscutível de que tal IA ainda não existe.

Com esse esclarecimento, você pode imaginar que o sistema de direção de IA não “saberá” sobre as facetas da direção. O ato de dirigir e tudo o que ele acarreta precisará ser programado como parte do hardware e do software do carro que dirige sozinho.

Vamos mergulhar nos aspectos que afetam esse tópico.

Em primeiro lugar, tenha em mente que existem mais de 250 milhões de carros convencionais apenas nos Estados Unidos, o que é uma grande quantidade de automóveis. A razão pela qual aponto este fato é que não vamos abandonar todos os veículos convencionais da noite para o dia, e milagrosamente adotar apenas autônomos. Haverá uma mistura de carros convencionais e autônomos em nossas vias públicas por muitos anos.

Na verdade, alguns insistem que eles nunca ficarão sem o volante, a não ser quando o motorista tirar suas mãos dele.

Não sabemos se a sociedade pode insistir que todos os carros convencionais sejam deixados de lado e nunca mais disponibilizados. A lógica para tal decreto seria que os autônomos não estarão sujeitos às fraquezas humanas dos motoristas, como dirigir embriagado, distraído e com sono, entre outros. A crença é que ao dirigir sozinho, os veículos reduzirão drasticamente o número de acidentes automotivos, reduzindo o número de fatalidades e ferimentos associados aos acidentes de carro.

Por isso, é provável que haja pressão da sociedade para tentar usar carros autônomos e evitar o uso de veículos movidos por humanos.

De uma perspectiva veloz e furiosa, as chances são bem altas de que os carros movidos por humanos continuarão ainda por um longo período, e podem continuar indefinidamente. Talvez restrições especiais sejam colocadas em torno do uso de veículos movidos por humanos. Por exemplo, permitir o uso desses carros apenas em determinados locais e em horários específicos do dia. Pode ser que eles não sejam permitidos nas vias públicas, a não ser ocasionalmente ou em exibições que mostram “os velhos e desatualizados” veículos movidos por humanos.

Imagine como será emocionante assistir a um filme sobre aqueles carros movidos por humanos, agora antiquados (finja que você está no futuro), e ver como eles ainda podem ser usados ​​para salvar o mundo e capturar os vilões covardes.

Ao seu redor, no dia a dia, inclusive fora do cinema, há carros autônomos em abundância. Foi assim que você chegou à sala de cinema. Poucos veículos movidos por humanos são vistos nas estradas. Assim, assistir a um filme empolgante sobre carros velozes e furiosos movidos por humanos é, sem dúvida, um enredo bastante revigorante e fascinante.

Alguns jovens na plateia podem questionar como os carros movidos por humanos estão sendo dirigidos. “Onde está o sistema de direção de IA?”, pode perguntar o jovem curioso. “Você quer dizer que não há um sistema de direção de IA nesses carros? Inacreditável. Quando isso aconteceu? Por que eles não usaram sistemas de direção de IA em vez de controlar o carro por meio de sua própria força bruta”, os jovens podem perguntar, incrédulos.

Você deve ter notado que a lista dos dez melhores carros da franquia “Velozes e Furiosos” contém alguns com mais de 50 anos (mesmo atualmente). Como tal, certamente haveria uma probabilidade razoável de que filmes futuros apresentassem veículos movidos por humanos muito antigos, mesmo que o resto da sociedade tenha mudado e optado por gradualmente adotar carros autônomos.

Outras perspectivas podem ser visualizadas por aqueles escritores criativos da Hollywood do futuro.

Se, naquele momento futuro, as pessoas estiverem gostando de veículos autônomos com IA, pode ser que o retrato dos velhos carros velozes e furiosos pareça um passatempo que não é mais digno de atenção extasiada. Imagine que o enredo de tal filme consiste em humanos dirigindo alguns carros elegantes, mas eles tornam as coisas piores ao fazer isso. O vilão fica mais poderoso ou o mundo fica à beira do desastre porque aqueles veículos movidos por humanos estão, de alguma forma, inadvertidamente alimentando o fim da humanidade.

Claro, você sabe como é, filmes podem transformar rapidamente heróis em idiotas. Qualquer coisa para fazer as pessoas sentarem nos cinemas e ganhar um dinheiro.

Enquanto isso, talvez esse tipo de enredo tenha carros autônomos que venham salvar. “Graças a Deus, alguns autônomos autônomos estão entrando na história, finalmente”, dizem os espectadores. Esses magníficos veículos irão sumariamente despachar o malfeitor e garantir que o mundo esteja seguro novamente.

Sim, parabéns aos sistemas de direção de IA e aos desenvolvedores que os programaram. Mais reviravoltas são possíveis.

Supõe-se que, no caminho para a adoção de carros autônomos, haverá muitas pessoas que ficarão chateadas com o fato deles estarem cada vez mais sendo usados ​​nas estradas. Esses são obstinados que acreditam que apenas carros movidos a humanos são o tipo adequado de automóvel. Qualquer outra coisa é algo que deve ser usado apenas em parques temáticos e carnavais.

Nesse caso, talvez o enredo do filme seja que os carros autônomos são incapazes de despachar o vilão. Após uma tentativa corajosa dos sistemas de direção de IA, eles são incapazes de dirigir tão habilmente quanto os motoristas humanos. Nesse caso, as pessoas aparecem e dirigem carros convencionais que são preparados para serem velozes e furiosos.

Uma alternativa poderia ser que aqueles motoristas humanos arrancassem os sistemas de direção de IA e assumissem os carros autônomos. Eles também turbinam os carros autônomos, convertendo-os em velozes e furiosos.

A humanidade prova mais uma vez que a automação não é tão boa quanto as mãos e mentes humanas.

Talvez você esteja se perguntando se um carro que dirige sozinho pode ser considerado potencialmente um carro veloz e furioso. Talvez você não possa usar essa frase de efeito em associação com carros autônomos. Aqui está o porquê.

De certa forma, os sistemas de direção de IA provavelmente serão concebidos para dirigir com calma e dentro da lei, portanto, eles não estarão dirigindo como um maníaco. Se for esse o caso, você possivelmente terá dificuldade em ficar entusiasmado ao ver um carro que dirige sozinho tentando salvar o dia. Sem inícios rápidos. Sem direção furiosa. Dirigir como se as coisas devessem ser fáceis, mantendo-se dentro das faixas de tráfego e parando completamente em todos os sinais vermelhos.

Você realmente pagaria para ver um filme assim?

A questão é que não há nenhuma exigência rígida e rápida de que os carros autônomos não possam ir além dos limites da direção calma e dentro da lei. Esta é uma suposição sobre como os sistemas de IA serão concebidos. Faz sentido, já que provavelmente todos ficaríamos chateados ao ver um carro autônomo se soltando na rua e espalhando um monte de borracha de pneu. Não é algo que esperaríamos ver.

Dito isso, prepare-se para uma pequena surpresa. Você provavelmente espera que existam sistemas de direção de IA desenvolvidos para dirigir como um demônio da velocidade total. Eu acredito que teremos carros autônomos baseados em IA usados ​​em corridas de automóveis e faremos os tipos de truques de direção que agora só os humanos fazem.

Conclusão

Em teoria, um dia estaremos potencialmente avaliando as marcas e modelos de carros autônomos e identificando quais são os melhores em estilo e capacidade.

Nem todos os carros autônomos vão necessariamente ser parecidos (eles não vão).

Alguns analistas do setor afirmam que haverá uma competição um pouco sórdida entre os fabricantes de automóveis autônomos para tentar fazer com que seus veículos se destaquem nas rodovias em comparação com outros. Pode ser que a forma de uma montadora ou empresa de tecnologia fazer seus carros sem motorista parecerem atraentes seja enfeitá-los e certificar-se de que sejam considerados modernos e dignos de dar uma volta.

Posteriormente, eles podem utilizar esses veículos para um futuro enredo envolvendo aquela direção veloz e furiosa venerada.

O enredo pode ser que um hacker transforma aquele modelo de um carro autônomo em algum sistema de direção de IA malévolo, causando destruição por todo o lugar. Enquanto isso, nosso herói humano também é um hacker (do bom tipo) e converte um modelo diferente de um carro autônomo em um sistema salva-vidas de direção de IA.

Os dois sistemas de direção de IA e seus carros autônomos turbinados se enfrentam em uma batalha do século. Qual vai prevalecer? Eu percebo que você está na ponta do seu assento.

Parece que você precisa comprar um ingresso para ver esse filme. Se eu lhe contasse o final, você provavelmente não compraria um ingresso e toda a franquia poderia cair no esquecimento. Isso é algo que os cinemas e os cineastas não gostariam, muito menos os fãs ávidos que precisam de um turbo de “velozes e furiosos” em sua dieta automotiva contínua.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).