Fintech Remessa Online negocia novo aporte de R$ 250 milhões

Busakorn Pongparnit/Getty Images
Busakorn Pongparnit/Getty Images

Os potenciais novos recursos devem reforçar uma expansão acelerada da fintech, quer fechar o ano com uma alta de 150% ante 2020

A plataforma digital de transferências internacionais Remessa Online espera anunciar ainda neste ano mais uma rodada de investimentos, em meio a um forte ritmo de crescimento, disse o diretor de estratégia da fintech, Alexandre Liuzzi.

“Temos algumas conversas em andamento e esperamos anunciar ainda neste ano a nossa próxima rodada de investimento”, afirmou à Reuters, estimando que o novo aporte deve ser da ordem de R$ 250 milhões.

No ano passado, a empresa levantou R$ 110 milhões em uma rodada liderada pelo Kaszek Ventures, com participação dos fundos Bewater Ventures e Kevin Efrusy.

LEIA MAIS: Tudo sobre finanças e o mercado de ações

Quanto à abertura de capital, Liuzzi disse que a fintech já tem tamanho para se tornar uma empresa listada em bolsa, mas que essa possibilidade ainda não está sendo considerada para o curto prazo, embora trabalhe com planejamento para estar pronta para um IPO (Oferta Pública Inicial, na sigla em inglês).

A plataforma tem os bancos entre seus principais concorrentes, mas também competidores como o unicórnio britânico Wise, que foi avaliado neste mês em 7,95 bilhões de libras (US$ 11 bilhões) em sua estreia na Bolsa de Valores de Londres.

No caso da Remessa Online, potenciais novos recursos devem reforçar a expansão acelerada da fintech, que no primeiro trimestre registrou um salto de 130% nas receitas totais frente ao mesmo período do ano anterior e quer fechar 2021 com uma alta de 150% ante 2020.

A plataforma, que permite a pessoas e empresas enviar dinheiro para o exterior ou receber valores em moeda estrangeira, também calcula chegar ao final deste ano com aproximadamente 1 milhão de operações processadas, o que representa uma média de mais de 80 mil transações por mês.

“Esperamos transacionar mais de R$ 14 bilhões apenas em 2021”, afirmou o executivo, também cofundador da plataforma, o que representaria um salto frente aos R$ 6 bilhões de 2020.

Dependendo do país de origem, a Remessa Online consegue concluir uma transferência em até 2 horas e há casos particulares em que isso é feito em minutos. A taxa de câmbio comercial é usada como referência, com um spread adicional, que pode variar conforme o volume e a natureza da operação.

A plataforma afirma que não opera com criptomoedas atualmente. “Aguardamos pela regulamentação das operações no Brasil”, explicou Liuzzi.

Dados do Banco Central citados pela empresa mostram que a participação de mercado da Remessa Online nos envios de dinheiro do país para o exterior por pessoas físicas quase dobrou nos primeiros quatro meses do ano frente a igual intervalo de 2020, para 33,46%, com alta de 68,67% no volume total dos envios nesse segmento.

Segmento de startups

Na esteira desse desempenho, a empresa quer crescer também no chamado “middle market” (mercado médio, em tradução livre) e no segmento de startups.

No ano passado, segundo Liuzzi, a plataforma passou a atuar fortemente na oferta de envios e recebimentos de valores a pequenas e médias empresas, produtores de conteúdo na internet e profissionais de tecnologia, que trabalham em home office para empresas no exterior.

“Entraremos fortes em 2022, focados em aumentar expressivamente a nossa participação no mercado, tanto para pessoas físicas quanto jurídicas”, acrescentou, citando que a empresa já ultrapassou a marca de 300 mil clientes atendidos em operações de câmbio para mais de 100 países.

O executivo estimou que o segmento formado por pessoas jurídicas – startups e pequenas e médias empresas em geral – representará metade do volume de negócios realizados na plataforma no final deste ano. Apenas o segmento de startups movimentou mais de 630 milhões de reais no início de 2021.

“O mercado de startups no Brasil está muito aquecido e os investidores internacionais têm colocado muito dinheiro nessas empresas. Nosso objetivo é oferecer uma solução completa que ajude a startup a se internacionalizar para acessar fundos de venture capital em qualquer lugar do mundo.”

Entre as operações mais recentes envolvendo aportes em fintechs brasileiras, o Nubank levantou US$ 750 milhões, em rodada liderada pela Berkshire Hathaway, enquanto a Advent investiu US$ 430 milhões na Ebanx. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).