Mark Zuckerberg promete remuneração bilionária para influenciadores em 2022

Proprietário do Facebook e Instagram está de olho em criadores de conteúdo que atraiam usuários para suas plataformas.

Abram Brown
Compartilhe esta publicação:
Reprodução/Forbes
Reprodução/Forbes

Mark Zuckerberg disse que quer construir as melhores plataformas para que milhões de influenciadores digitais ganhem a vida com isso

Acessibilidade


O Facebook vai pagar US$ 1 bilhão para celebridades das redes sociais que utilizem seus aplicativos em 2022. Esta é a mais recente ofensiva da gigante de tecnologia em uma guerra crescente com a concorrência para conquistar influenciadores digitais.

A empresa distribuirá os recursos por meio da receita de anúncios compartilhados e bônus pelo tempo gasto no Facebook e no Instagram. Em alguns casos, oferecerá financiamentos seed (semente) para criadores de conteúdo que se comprometam a estabelecer presença nas duas redes.

LEIA MAIS: Mark Zuckerberg vendeu ações do Facebook quase todos os dias de 2021

“Queremos construir as melhores plataformas para que milhões de influenciadores digitais ganhem a vida com isso”, disse o CEO Mark Zuckerberg em um post no Facebook. “Investir em criadores de conteúdo não é algo novo para nós, mas estou animado por expandir este trabalho ao longo do tempo.”

Recentemente, as empresas de mídia social passaram a focar no trabalho de influenciadores capazes de atrair milhões de usuários diários. O anúncio do Facebook é apenas uma parte de uma disputa acirrada. TikTok, Snapchat, Twitter e YouTube também estão trabalhando em projetos semelhantes para oferecer, aos criadores de conteúdo, melhores formas de ganhar dinheiro.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Muitas das plataformas pretendem ficar com uma parte dos ganhos gerados pelos influencers, embora possivelmente não por muito tempo. No futuro imediato, esse novo fluxo de receita seria, provavelmente, irrelevante para gigantes como o Facebook, que contabilizou US$ 86 bilhões no último ano. No entanto, é importante que a companhia, assim como tantas outras, mantenham esses profissionais em suas plataformas para atrair novos usuários. Sem essas pessoas acessando a rede, o Facebook não consegue vender os anúncios que representam o sistema vital da empresa.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: