Regulador da UE rejeita pedido para proibir Facebook de usar dados do WhatsApp

O controle considerava os novos termos de uso do aplicativo de mensagens ilegais.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Thomas White
Thomas White

O congelamento de três meses na coleta de dados de usuários do WhatsApp poderia ter sido estendido pelo Conselho Europeu de Proteção de Dados

Acessibilidade


Um órgão de vigilância da privacidade da UE (União Europeia) rejeitou um pedido de um órgão regulador de proteção de dados da Alemanha para proibir toda a UE do processar dados pessoais de WhatsApp, mas disse ao regulador da UE na Irlanda para investigar.

O regulador da cidade-estado de Hamburgo anunciou em maio que estava proibindo a rede social de processar dados pessoais de usuários do WhatsApp, controlado pelo Facebook, por considerar os novos termos de uso do aplicativo de mensagens ilegais.

Siga todas as novidades da Forbes Insider no Telegram

O congelamento de três meses na coleta de dados de usuários do WhatsApp poderia ter sido estendido pelo EDPB (Conselho Europeu de Proteção de Dados), fórum que reúne reguladores dos 27 estados-membros do bloco.

O WhatsApp disse em maio que a ação não tinha base legítima e não afetaria o lançamento da atualização. A empresa saudou a decisão da EDPB e disse que irá trabalhar com o regulador irlandês para resolver plenamente as questões levantadas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A EDPB afirmou que não foram cumpridas as condições para demonstrar a existência de uma infração e que decidiu que não é necessário adotar medidas definitivas contra o Facebook.

Mas acrescentou que, devido a contradições, ambiguidades e incertezas observadas nas informações do usuário do WhatsApp, não está em posição de determinar com certeza quais operações de processamento o Facebook estava realizando e em que capacidade.

Também não havia informações suficientes para estabelecer com certeza se o Facebook já havia começado a processar os dados do usuário do WhatsApp para seus próprios fins de comunicação de marketing e marketing direto.

Portanto, pediu ao Comissário de Proteção de Dados da Irlanda que abra uma investigação legal com caráter prioritário. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: