TikTok está sendo usado para espalhar desinformação sobre vacinas contra Covid-19

O Instituto para Diálogo Estratégico afirmou que conteúdo publicado na rede social está promovendo enganos e medo sobre efeitos colaterais dos imunizantes.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Reuters
Reuters

O Instituto para Diálogo Estratégico afirmou que conteúdo do TikTok está promovendo enganos e medo sobre efeitos colaterais dos imunizantes

Acessibilidade


Um recurso do TikTok que permite que os usuários adicionem o áudio do vídeo de outra pessoa está sendo utilizado para promover informações falsas sobre vacinas contra Covid-19, afirmou um grupo de estudo.

O Instituto para Diálogo Estratégico, sediado em Londres e focado em estudos contra extremismo, analisou 124 vídeos que usaram áudio de quatro vídeos originais publicados no TikTok, incluindo dois que foram removidos pela rede social por violar regras de desinformação, para promover a disseminação de informações enganosas e medo sobre efeitos colaterais das vacinas. Os 124 vídeos tiveram mais de 20 milhões de visualizações.

LEIA MAIS: Desinformação pode fazer pessoas rejeitarem vacinas contra Covid-19, diz estudo

Ciaran O’Connor, analista do centro de estudos, vinculou a disseminação de informações falsas que usaram o recurso “Sounds” do TikTok por mensagens de voz do WhatsApp que se espalharam durante a pandemia.

Vídeos virais em que os usuários conseguem criar seus próprios conteúdos retirando trechos de músicas e fala são parte central do TikTok. A empresa afirmou que avalia a violação de regras por vídeos e pode impedir que sejam usados no recurso Sounds por outros usuários.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O áudio de um dos vídeos em que um usuário afirma que o rápido desenvolvimento de vacinas contra Covid as tornou inseguras, além de comparações enganosas com outras doenças, já foi usado em mais de 4.500 vídeos, afirmou o instituto.

O TikTok afirmou que retirou do ar alguns dos vídeos que usaram o Sounds e tornou o recurso mais difícil para ser localizado em buscas depois de analisar os dados da pesquisa do instituto. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: