China intensifica controle em tecnologia com regras sobre competição desleal e dados críticos

O país multou pesadamente suas gigantes de tecnologia como parte de uma crescente repressão.

Redação
Compartilhe esta publicação:
REUTERS/Tingshu Wang
REUTERS/Tingshu Wang

O país multou pesadamente suas gigantes de tecnologia como parte de uma crescente repressão

Acessibilidade


A China agiu hoje (17) para apertar o controle de seu setor de tecnologia, ao publicar regras detalhadas com o objetivo de combater a concorrência desleal e a maneira como as empresas lidam com dados críticos.

Pequim tem endurecido seu controle plataformas de internet nos últimos meses, citando o risco de abuso de poder de mercado para reprimir a competição, o uso indevido de informações dos consumidores e violação dos direitos do consumidor, em uma reversão de postura mais tranquila que durava anos.

O país multou pesadamente empresas como o gigante do e-commerce Alibaba Group e a empresa de mídia social Tencent Holdings como parte de uma crescente repressão. Também prometeu novas leis sobre inovação e monopólio em tecnologia.

LEIA TAMBÉM: Como a IA está aumentando a segurança alimentar e melhorando a vida dos pequenos produtores rurais

Nesta terça-feira, a Administração Estatal de Regulação do Mercado divulgou uma série de regras que proíbem a competição desleal e restringem o uso de dados dos usuários.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“A especificidade das regras propostas evidencia um conjunto claro de prioridades para determinar as ‘regras de engajamento’ para competição online”, disse Michael Norris, gerente de pesquisa e estratégia da consultoria AgencyChina.

Operadoras de internet “não podem implementar ou ajudar na implementação de competição desleal na internet, prejudicar a ordem da competição de mercado, afetar transações justas no mercado”, escreveu a Administração Estatal de Regulação do Mercado em esboço, que está aberto a consulta pública até o prazo de 15 de setembro.

Especificamente, segundo o órgão regulador, as operadoras não devem usar dados ou algoritmos para influenciar as escolhas de usuários. Também não podem usar meios técnicos para capturar ilegalmente ou usar os dados de outras operadoras. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: