Em cinco anos, startups brasileiras apoiadas pelo Google geraram mais de 15 mil empregos

Segundo a gigante de tecnologia, 250 empresas participaram da sua rede de apoio e fomento ao empreendedorismo e inovação

Matheus Riga
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

O projeto Google for Startups possui seis iniciativas diferentes para apoiar startups em fases distintas de maturidade do negócio

Acessibilidade


Mais de 15 mil empregos gerados e R$ 35 bilhões movimentados em investimentos de venture capital entre 2016 e 2021. Este é o cálculo do impacto das 250 startups brasileiras que participaram dos programas do Google for Startups, braço de apoio e fomento ao ecossistema de inovação da gigante de tecnologia, na economia do Brasil durante os últimos cinco anos.

Em operação no país desde 2016, a iniciativa conduziu mais de 1.500 eventos e capacitou cerca de 30 mil pessoas em temas ligados a empreendedorismo e tecnologia.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

Além de oferecer um programa de residência para startups em seu espaço físico em São Paulo (SP), o Google for Startups desenvolveu outros cinco para a  criação e aceleração de negócios.

Os números dos cinco anos iniciais de operação foram divulgados hoje (19), por meio de um relatório que consolidou e avaliou as ações realizadas nesse período. “Quando vendemos esse projeto para a matriz do Google nos Estados Unidos, eles entenderam que o brasileiro era um empreendedor criativo em um mercado com muitos problemas para resolver”, diz o presidente do Google no Brasil, Fábio Coelho. “O Google for Startups dá espaço para que esses negócios possam crescer e se tornarem globais.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Quando esse trabalho começou, o Brasil contava com um pouco mais de 5.000 empresas de base tecnológica, segundo a Abstartups (Associação Brasileira de Startups). Em cinco anos, esse número saltou 160% e chegou a 13 mil companhias.

O volume de investimento nessas empresas também evoluiu nesse período. Em 2016, as startups brasileiras captaram US$ 441 milhões em 261 aportes, de acordo com a companhia de inovação aberta Distrito. Em contraste, só os sete primeiros meses deste ano já registraram US$ 5,6 bilhões em 412 rodadas.

Com um ecossistema mais maduro e mais recursos financeiros do que há cinco anos, o país viu 16 companhias chegarem ao status de unicórnio – quando uma empresa ultrapassa o valor de mercado de US$ 1 bilhão. Cinco dessas “companhias mitológicas” – Creditas, Loft, Loggi, Nubank e QuintoAndar – usufruíram da rede do Google for Startups nos últimos cinco anos.

A empresa de criação de lojas virtuais Nuvemshop, que se transformou em unicórnio após a captação de US$ 500 milhões no início desta semana, também participou dos programas e iniciativas da gigante de tecnologia. Embora tenha sido fundada na Argentina, o Brasil é responsável por grande parte de sua operação.

VEJA TAMBÉM: Nuvemshop capta US$ 500 milhões e se torna o mais novo unicórnio da América Latina

O diretor do Google for Startups para a América Latina, André Barrence, avalia que o momento de transformação digital, impulsionado pela pandemia de Covid-19, deve continuar nos próximos anos e favorecer as startups brasileiras.

Divulgação
Divulgação

O diretor do Google for Startups para a América Latina, André Barrence, enxerga um ambiente favorável para a expansão do ecossistema de inovação brasileiro nos próximos cinco anos

“Toda mudança que vimos, não só dos negócios, mas da sociedade, permanecerá, e as startups, com sua velocidade de adaptação e capacidade de criação, serão fundamentais no processo de retomada da economia”, afirma o executivo.

Esse momento de digitalização, associado ao alto volume de investimentos em startups, deve fortalecer o ecossistema. “Essa combinação vai ser muito importante para que o crescimento visto nos últimos cinco anos não apenas se mantenha, mas aumente”, diz Barrence. “Essas empresas vão se consolidar e serão líderes de grandes segmentos da nossa economia.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: