InstaCarro, de compra e venda de automóveis usados, levanta R$ 115 milhões em rodada série B

Divulgação
Divulgação

O cofundador e CEO da InstaCarro, Luca Cafici, enxerga uma mudança de comportamento no consumidor pós-pandemia: “Com as fábricas paradas e a falta de componentes, por causa da pandemia, as pessoas passaram a mirar os usados ou seminovos”

A startup InstaCarro, de compra e venda online de carros usados ou seminovos, quer aproveitar que o consumidor está mais propenso a adquirir automóveis via meios digitais e intensificar o seu investimento em tecnologia. A nova visão da companhia, alterada pela pandemia de Covid-19, vem junto com uma injeção de recursos feita por investidores, que aportaram R$ 115 milhões na empresa, em uma rodada série B, conforme anúncio realizado hoje (4).

Liderada pelos fundos norte-americanos J Ventures, FJ Labs e Rise Capital, a rodada também foi acompanhada pelas instituições de capital de risco espanholas All Iron Ventures e Big Sur. O último investimento recebido pela InstaCarro foi em 2017, quando a empresa levantou US$ 22,5 milhões na série A, que foi estendida no ano seguinte com o complemento de mais US$ 7,5 milhões, de acordo com o banco de dados Crunchbase. À época, o plano da startup era utilizar os recursos para melhorias na plataforma e expansão do negócio.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

Pouco mais de três anos depois, os planos da companhia permanecem focados na melhoria de sua tecnologia de compra e venda de carros, mas com um olhar mais voltado para as novas necessidades dos consumidores, completamente alterada pela crise sanitária. “Nossa ideia era expandir o número de pontos físicos de venda e inspeção, mas com a crise tivemos de mudar a estratégia”, afirma o CEO da InstaCarro e Forbes Under 30 da edição 2017 Luca Cafici. “Desenvolvemos toda uma operação de atendimento na casa do cliente. Nós vamos até lá, tiramos fotos do veículo, inspecionamos e enviamos o guincho para retirá-lo.”

Com esse novo canal de contato, a InstaCarro agora vai investir em tecnologia para que o processo de compra e venda possa ser 100% digital. “Toda essa operação remota requer um investimento em produtos de tecnologia porque, antes da pandemia, esse processo era no ‘tête-à-tête’, e a comunicação com o cliente era mais fácil”, afirma Cafici. “Toda essa experiência digital receberá parte do nosso investimento.” No entanto, as lojas físicas, que representam a outra metade da operação da startup, também terão atenção após a série B.

VEJA TAMBÉM: Under 30 2017: 91 destaques brasileiros abaixo dos 30 anos

A perspectiva é de que a companhia faça uma expansão agressiva para outras cidades do Brasil. Desde 2015, quando foi fundada, a InstaCarro atua exclusivamente em São Paulo (SP), mas deve chegar a mais oito metrópoles brasileiras até o final deste ano: Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Goiânia (GO), Curitiba (PR), Santos (SP), Campinas (SP), Brasília (DF) e Joinville (SC). “Queremos replicar o modelo de sucesso de São Paulo no resto do país. Lógico, o Brasil é heterogêneo, algumas adaptações serão necessárias, mas o foco sempre será em oferecer a melhor experiência para o cliente”, diz o executivo.

A maior cobertura geográfica até o final do ano e a ampliação dos canais de venda e atendimento servirão, segundo Cafici, para aproveitar os ventos favoráveis no setor em que a InstaCarro atua. “É até louco pensar que os preços dos carros usados ou seminovos estão aumentando. Geralmente, sempre tem uma depreciação”, afirma. “Com as fábricas paradas e a falta de componentes, por causa da pandemia, não tem tantos automóveis novos para comprar, e as pessoas passaram a mirar os usados ou seminovos.”

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).