Startup de biometria unico recebe aporte e torna-se novo unicórnio brasileiro

Com aporte de R$ 625 milhões, unico ultrapassa a marca de US$ 1 bilhão em valor de mercado.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Fabrizio Bensch/Reuters
Fabrizio Bensch/Reuters

A unico oferece soluções de biometria para mais de 800 clientes, entre eles Magazine Luiza, Pernambucanas, C6Bank, Banco Original e B2W

Acessibilidade


A empresa de biometria unico anunciou nesta terça-feira que recebeu aporte de R$ 625 milhões em rodada liderada pelos fundos da General Atlantic e do SoftBank tornando-se o novo exemplar brasileiro de unicórnio, jargão do mercado para startups avaliadas em ao menos US$ 1 bilhão.

O anúncio, quase 11 meses após a unico ter recebido outra rodada de R$ 580 milhões também liderado pelo General Atlantic e pelo SoftBank, ilustra a rápida expansão da demanda por biometria para usos tão distintos quanto abertura de contas a aulas remotas, movimento acentuado pelas medidas de isolamento social.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

Criada em 2007 e com sede em São Paulo, a unico, antes conhecida como Acesso Digital, tem crescido impulsionada por empresas que também decolaram no meio online. Atualmente, a companhia tem cerca de 800 empresas clientes, incluindo Magazine Luiza, Pernambucanas, C6Bank, Banco Original e B2W.

Com a disparada da demanda por identificação digital, a unico também acelerou o passo com aquisições. Em 2020, comprou a startup gaúcha de análise de imagens Meerkat. Neste ano, adquiriu a Vianuvem e a CredDefense, especializadas em biometria para comércio de veículos. Isso também ajudou a triplicar seu quadro de funcionários para os cerca de 700.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Segundo Diego Martins, fundador e presidente da unico, os recursos do aporte serão usados para a companhia ampliar o desenvolvimento de tecnologia proprietária e para aquisições.

“O novo investimento vai tornar nossa máquina de M&A (fusões e aquisições) mais consolidada”, disse Martins em entrevista à Reuters, acrescentando que também está montando um grupo para detectar possibilidades de expansão no exterior.

Segundo o sócio do SoftBank Latin America Fund, Paulo Passoni, um serviço de identificação biométrica com elevado grau de assertividade como o da unico é um negócio difícil de construir.

“O ecossistema da unico torna a empresa um celeiro de inovação dentro e fora do Brasil”, disse Passoni. (Com Reuters).

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: