Pesquisa: as diferenças da transformação digital nos EUA e China

Norte-americanos estão em primeiro no ranking de competitividade digital; Hong Kong aparece em segundo lugar.

Redação
Compartilhe esta publicação:
zhangshuang/Getty Images
zhangshuang/Getty Images

Os EUA superam a China em educação, que tem uma participação de 6% no PIB norte-americano, ante 3,5% no país asiático

Acessibilidade


O IMD World Competitiveness Center, que estuda a competição entre países e empresas, acaba de divulgar uma pesquisa sobre a diferença na transformação digital nas duas principais potências mundiais. Os Estados Unidos aparecem no topo do ranking de competitividade digital do IMD pelo quarto ano consecutivo. Segundo o estudo, o sucesso do país é baseado “na prevalência doméstica da tecnologia e confiança das empresas no capital de risco acessível”. Por outro lado, a China, que subiu 15 posições nos últimos quatro anos, se beneficia de grandes níveis de desenvolvimento científico e educacional, P&D (Pesquisa e Desenvolvimento) e uma participação global líder nas exportações de alta tecnologia.

A pesquisa mostra que os Estados Unidos superam a China em educação, que tem uma participação de 6% no PIB (Produto Interno Bruto) norte-americano, ante 3,5% no país asiático, embora a China esteja no topo do ranking global de alfabetização matemática entre os jovens (os EUA ocupam o 36º lugar). Além disso, os Estados Unidos têm um terço a mais de usuários de internet (per capita) do que a China e têm os níveis mais altos de propriedade de tablets do mundo. Já o gigante asiático lidera o mundo em sua proporção de funcionários técnicos e científicos, que representam 11% do emprego total do país, quase o dobro dos EUA (6%). A China é o país com mais robôs em educação e P&D e tem quase um terço (30%) de todos os robôs do mundo, quase o dobro de seu rival mais próximo, o Japão (14%). Suas exportações de alta tecnologia representam 31% de todas as exportações de manufaturados, contra 19% dos EUA.

Siga todas as novidades do Forbes Tech no Telegram

A pesquisa classifica Hong Kong em segundo lugar na hierarquia global de competitividade digital. “A economia lidera o mundo em graduados em ciências e exporta mais produtos de alta tecnologia do que qualquer país em proporção de todas as suas exportações de manufaturados”, diz o relatório. Em seguida está a Suécia, graças a uma forte economia do conhecimento e desenvolvimento de talentos do país. Já a América do Sul mostra-se atrasada ao restante do mundo. Segundo o IDM, a Colômbia é prejudicada por níveis relativamente baixos de assinantes de banda larga móvel e o Peru, por uma baixa taxa de penetração de banda larga sem fio (per capita). Já a Argentina sofre de percepções fracas de que os serviços bancários e financeiros apoiam adequadamente os negócios e que o capital de risco esteja facilmente disponível.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: