Microsoft diz que ataque contra centenas de redes dos EUA partiu de agência russa

Segundo a gigante da tecnologia, última onda de ataques tinha como alvo "revendedores e outros provedores de serviços" de computação em nuvem.

Redação
Compartilhe esta publicação:
thomaguery/Getty Images
thomaguery/Getty Images

Pelo menos 600 clientes da Microsoft foram atacados digitalmente entre julho e outubro deste ano

Acessibilidade


A agência com sede na Rússia por trás do ataque digital maciço ocorrido contra a SolarWinds no ano passado teve como alvo centenas de outras empresas e organizações em sua última onda de ataques a sistemas de computador baseados nos Estados Unidos, disse a Microsoft.

A companhia publicou ontem (24) que a última onda de ataques da Nobelium tinha como alvo “revendedores e outros provedores de serviços de tecnologia” de computação em nuvem. Estas invasões de sistemas foram parte de uma campanha mais ampla durante meados do ano, disse a Microsoft, acrescentando que notificou 609 clientes entre 1º de julho e 19 de outubro que eles foram atacados.

VEJA TAMBÉM: Hackers usam acordos falsos para sequestrar contas de influenciadores

Apenas uma pequena porcentagem das últimas tentativas foram bem-sucedidas, disse a Microsoft ao jornal New York Times.

Funcionários do governo dos EUA confirmaram ao jornal que a operação estava em andamento, com uma fonte de alto escalão chamando-a de “operações simples e sem sofisticação que poderiam ter sido evitadas se os provedores de serviço de computação em nuvem tivessem implementado práticas básicas de segurança”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

“Esta atividade recente é outro indicador de que a Rússia está tentando obter acesso sistemático de longo prazo a uma variedade de pontos na cadeia de fornecimento de tecnologia e estabelecer um mecanismo para vigiar – agora ou no futuro – alvos de interesse do governo russo”, escreveu a Microsoft. (Com Reuters)


Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: