Entenda o Axie Infinity e as oportunidades trazidas pelos cripto games

Heloísa Passos, CEO da SP4CE e fundadora de uma das maiores comunidades do jogo baseado em blockchain, explica a tecnologia e os tipos possíveis de investimentos .

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:

Heloísa Passos: “nos próximos anos, a indústria tradicional de games entrará em peso no mercado de criptomoedas já que existem muitas oportunidades” (Crédito: Divulgação)

Acessibilidade


Criado em 2018, o Axie Infinity, jogo baseado em NFT, da sigla em inglês tokens não fungíveis, vem ganhando cada vez mais espaço entre as opções de investidores. Somente no terceiro trimestre deste ano, a plataforma liderou o ranking de investimento em NFTs com 19% das negociações. Em abril, o jogo registrava um total de 38 mil usuários chegando a 1,8 milhão em agosto e movimentando mais de US$ 2,2 bilhões em tokenização.

As quantias movimentadas e o crescimento em base dessa plataforma vêm chamando a atenção para os chamados cripto games. Heloísa Passos, CEO da SP4CE e fundadora de uma das maiores comunidades do Axie Infinity, explica que há uma busca cada vez maior por jogos baseados em criptomoedas e um aumento também nas possibilidades.

Forbes Brasil – Além do Axie Infinity, quais outros jogos são baseados em cripto atualmente?
Heloísa Passos – Grande parte dos jogos que existem hoje em cripto não é “jogável”. Em sua maioria, são compostas pelos chamados click gas, cliques que você faz e o algoritmo decide se você vence ou não, de acordo com a raridade do seu NFT. Por isso, há uma busca tão grande por jogos que realmente divirtam as pessoas. Hoje, além do Axie Infinity, temos Thetan arena, Town stars e Mir4, que são jogos mais populares. Também existem alguns que ainda não foram lançados como Ember Sword, Star Atlas e Mirandus , projetos que os investidores e jogadores estão de olho.

LEIA TAMBÉM: Criptomoedas, blockchain e multiverso: jogos online abraçam tecnologias como mecanismo de incentivo

Forbes Brasil – Em especial, no caso do Axie por que ele se tornou tão relevante?
Heloísa – Por dois motivos: primeiro, a entrega de jogabilidade para as pessoas. Isso é, você realmente consegue traçar estratégias, pensar em composições e duelar. Outro ponto importante foi a possibilidade de custódia do NFT, as pessoas conseguem emprestar seus Axies em um modelo de locação chamado scholarship em que ambos dividem os lucros, como se fosse um Uber.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Forbes Brasil – Quais as oportunidades para os investidores neste universo?
Heloísa – Para investidores, os games baseados em blockchain têm a possibilidade da custodia de NFTs com renda passiva (aluguel de personagens), por exemplo, no modelo chamado scholarship. Nele, a quantidade de pessoas varia muito. Outro ponto interessante é a mineração, que sai muito mais barato do que se fossemos por criptos como Bitcoin, Ethereum, Monero, onde o custo de máquina x local x energia acaba sendo muito caro para investidores menores. Por último, podemos pensar em investimentos menos arriscados como a compra desses ativos e a espera da valorização, seja em carteira ou em protocolos virtuais.

Forbes Brasil – Pode nos dar uma ideia das tendências e do que está por vir nessa conexão entre games e cripto?
Heloísa – Acho que vamos ver cada vez mais projetos em Blockchain Games, e o crivo vai ter que ser ainda maior, muita gente entra nesse mercado com a promessa de 1000%, o que não é impossível, mas não podemos virar regra. Acredito que nos próximos anos a indústria tradicional de games entrará em peso no mercado para não deixar dinheiro à mesa. Já temos a Ubisoft, avaliada em US$ 8 bilhões, a Riot, com o jogo mais rentável de 2019, o League of Legends, que faturou US$ 1.5 bilhão. Porém, só vai ficar nesse mercado quem trouxer projetos sólidos e que se sustentem ao longo do caminho.

Compartilhe esta publicação: