Os planos da Omie com o banco digital Linker

Empresa especializada na convergência entre ERP e serviços adquire a fintech por R$ 120 milhões com foco em integração.

Andressa Barbosa
Compartilhe esta publicação:

Desde sua fundação em 2013, a Omie já levantou pouco mais de R$690 milhões de investimento em rodadas anteriores ao novo aporte da Tencent, anunciado no fim de outubro e de valor não revelado (Crédito: Getty Images)

Acessibilidade


A Omie anunciou nesta quarta-feira, 17, um acordo para a aquisiçao do Banco Digital Linker. Fundada em 2019, por David Mourão, Ingrid Barth e Daniel Benevides, a fintech oferece serviços financeiros e soluções bancárias, como conta digital, cartão de crédito e gestão de cobranças, para mais de 30 mil PMEs, já sendo parceiro de mais de 100 escritórios de contabilidade.

O valor da transação foi de R$120 milhões incluindo um conjunto de ações da Omie, incorporando 100% do capital social do Linker. Além de integrar as soluções das duas empresas para ter uma oferta mais completa, a Omie vai também expandir a base de clientes de Conta Corrente e Serviços Financeiros do Linker.

LEIA TAMBÉM: Para Matt Swann, do Nubank, apagão tecnológico é entrave para expansão global

Durante o período de pandemia, o Linker teve foco na digitalização de PMEs e, mesmo após a reabertura do mercado, esse crescimento segue consistente. Entre julho de 2020 e junho de 2021, o volume transacionado na plataforma da fintech aumentou 15 vezes e com o segundo trimestre movimentando 70% mais que o primeiro.

Desde sua fundação em 2013, a Omie já levantou pouco mais de R$690 milhões de investimento em rodadas anteriores ao novo aporte da Tencent, anunciado no fim de outubro e de valor não revelado. Com sua solução que combina software de gestão (ERP), educação empreendedora e serviços financeiros, a Omie deve fechar o ano próximo a 100 mil clientes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Compartilhe esta publicação: