Lançamento de novo telescópio espacial da Nasa é adiado até o dia de Natal

O encapsulamento do poderoso telescópio de infravermelho dentro da doca de carga de um foguete Ariane 5 foi finalizado em 17 de dezembro.

Da Reuters
Compartilhe esta publicação:
Chris Gunn/Divulgação/Reuters
Chris Gunn/Divulgação/Reuters

O encapsulamento do poderoso telescópio de infravermelho dentro da doca de carga de um foguete Ariane 5 foi finalizado em 17 de dezembro

Acessibilidade


O lançamento do Telescópio Espacial James Webb da Agência Aeroespacial dos Estados Unidos (Nasa), criado para vasculhar o universo mais longe do que nunca, foi adiado até não antes do dia de Natal devido ao clima ruim no local de decolagem no litoral norte da América do Sul, anunciou a agência na terça-feira.

O atraso climático de 24 horas no Espaçoporto da Europa na Guiana Francesa vem na esteira de um adiamento de dois dias da janela de lançamento anterior de 22 de dezembro, causada por dificuldades de comunicações eletrônicas entre o veículo de lançamento e sua carga, de acordo com a Nasa.

O encapsulamento do poderoso telescópio de infravermelho dentro da doca de carga de um foguete Ariane 5 foi finalizado em 17 de dezembro. Agora o foguete está pronto para decolar entre as 8h20 e as 8h52 (horário de Brasília) de sábado.

Se tudo for de acordo com o plano, o instrumento de 9 bilhões de dólares será liberado do foguete após uma travessia de 26 minutos pelo espaço. Depois disso, o telescópio Webb levará um mês para se aproximar de seu destino na órbita solar a cerca de 1,6 milhão de quilômetros da Terra, cerca de quatro vezes a distância da lua.

Como comparação, o Telescópio Espacial Hubble, antecessor de 30 anos do Webb, orbita a própria Terra a 544 mil quilômetros de distância.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Batizado em nome do chefe da Nasa durante a maior parte dos anos 1960, o Webb é cerca de 100 vezes mais sensível do que o Hubble e se espera que revolucione o entendimento dos astrônomos sobre o universo e nosso lugar nele.

Compartilhe esta publicação: