Mercado de NFTs gerou mais de US$ 23 bi em negociações no ano de 2021

“Everydays: The First 5,000 Days”, de Mike Winkelmann, conhecido como Beeple, tornou-se a peça de arte digital mais cara na batida do martelo.

Siladitya Ray
Compartilhe esta publicação:
Gettyimages
Gettyimages

Obra de arte digital “Everydays: The First 5,000 Days” está ao lado de grandes mestres, como Van Gohg e Picasso

Acessibilidade


“Everydays: The First 5,000 Days”, uma obra de arte digital, encontra-se ao lado de pinturas feitas por artistas como Picasso, Rothko, Van Gogh e Monet como uma das peças mais caras vendidas em um leilão em 2021, ano em que os tokens não fungíveis (NFTs) chamaram a atenção do público e emergiram como uma das tendências de tecnologia mais recentes.

FATOS E LEILÕES MILIONÁRIOS

Feita pelo artista de 41 anos, Mike Winkelmann — mais conhecido como Beeple — a arte digital foi vendida na forma de um NFT por US$ 69,3 milhões, cerca de R$ 356 milhões, na cotação de hoje, (31), tornando-se a peça de arte digital mais cara na batida do martelo.

LEIA TAMBÉM: Lista Under 30 de 2021 é destaque da nova edição da Forbes

A Christie’s — a casa de leilões que vendeu as obras de arte de Beeple — anunciou na semana passada que vendeu NFTs no valor de US$ 150 milhões em 2021. Em termos simples, um NFT é um tipo de token digital único ou não replicável que é registrado em um blockchain — a mesma tecnologia descentralizada usada por criptomoedas — que pode ser usado como um registro ou autenticar a propriedade de ativos no digital e no mundo físico.

Isso significa que todos, desde celebridades, a NBA, a Marvel Comics e até mesmo os fabricantes de videogames, embarcaram no movimento da NFT, conforme o interesse do público em itens colecionáveis ​​digitais aumentava. De acordo com os dados do Google Trends, o interesse de pesquisa no termo “NFT” cravou em março e abril antes de atingir seu pico atual, obtido em agosto. Uma tendência semelhante também pode ser vista para a frase “como comprar NFT”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

GRANDE NÚMERO

US$ 23 bilhões, R$ 128,1 bilhões na cotação de hoje, (31), esse é o valor total de todas as vendas NFT que ocorreram no ano passado, de acordo com dados publicados pela DappRadar, startup que levanta dados sobre atividades e volumes de negociação entre 27 plataformas blockchain. Em comparação, as vendas totais de NFT em 2020 valiam menos de US$ 100 milhões.

FATO SURPREENDENTE

O NFT foi declarado como a “Palavra do Ano” de 2021 pelo Dicionário de Inglês Collin no mês passado, vencendo nomes como “crypto” e “cheugy” para alçar ao primeiro lugar.

O QUE É TANGÍVEL

Enquanto as peças de arte baseadas em NFT — como as feitas por Beeple — estiveram na maior parte das manchetes no início de 2021, o interesse em NFTs foi impulsionado por colecionáveis ​​digitais.

Semelhante a projetos raros de Pokémon ou cartas colecionáveis ​​de beisebol, como Cryptopunks, ofereciam milhares de itens digitais exclusivos com vários graus de “raridade”. Uma coleção particular que ganhou muita atenção online foi o Bored Ape Yacht Club, que é composto por uma coleção de 10.000 avatares baseados em NFT. Os proprietários desses avatares de macaco de desenho animado, que custam no mínimo US$ 210.000, incluem celebridades como Post Malone, Steph Curry, Jimmy Fallon e DJ Khaled.

Os proprietários do caro ativo digital receberam convites exclusivos para encontros na Califórnia, Nova York, Hong Kong e vários outros lugares. Esses encontros incluíram uma festa em um iate real em Nova York e um show com nomes como Chris Rock, Aziz Ansari e The Strokes.

MAS HÁ CONTRAS

Como sua popularidade cresceu no ano passado, NFT também emergiu no centro de várias controvérsias, incluindo acusações de roubo de arte e seus potenciais impactos ambientais. A maioria dos NFTs depende do blockchain Ethereum como “prova de trabalho”, que mantém um registro das transações NFT por meio de um processo chamado mineração.

Defensores do meio ambiente alertaram que a mineração, que depende de uma rede descentralizada de computadores em todo o mundo, consome uma quantidade significativa de energia que pode levar a um aumento nas emissões de carbono.

Outra polêmica em torno da tecnologia envolve o roubo de arte digital onde os criadores originais não são atribuídos. Vários ilustradores e artistas que hospedam seu conteúdo online reclamaram que seu trabalho está sendo transformado em NFTs sem seu consentimento ou qualquer atribuição.

Compartilhe esta publicação: