5 tendências de tecnologia para saúde em 2022

Pandemia acelerou o segmento de health nos últimos dois anos e impulsionou o uso e testes de novas ferramentas e processos.

Navneet Gupta
Compartilhe esta publicação:
dowell/Getty Images
dowell/Getty Images

A maioria das organizações de saúde hoje está sofrendo com o que pode ser chamado de “explosão de dados”

Acessibilidade


A pandemia introduziu novos desafios ao setor de saúde nos últimos dois anos, principalmente no que diz respeito à experiência do cliente. Com restrições implementadas em todas as unidades de medicina, a relação médico e paciente sofreu um grande golpe. E o movimento em direção à digitalização em todos os setores resultou em consumidores esperando inovações tecnológicas semelhantes também em seus serviços de saúde.

Com um foco renovado na jornada do paciente de ponta a ponta, várias tendências começaram a surgir no setor de saúde. Desde a criação de compromissos hiperpersonalizados até o uso de inteligência artificial e análises preditivas para melhorar os resultados, neste contexto, 2022 torna-se o ano em que a tecnologia e a saúde provavelmente convergirão para uma experiência mais abrangente e focada no cliente.

1
Conveniência para pacientes

Os consumidores de hoje estão adotando rapidamente novas tecnologias projetadas para tornar suas vidas mais simples e convenientes, sejam relacionadas a compras, supermercado, serviços bancários ou saúde. A conveniência domina o dia. Tem um custo, mas o consumidor de hoje está disposto a pagar por isso. Essa mudança nas expectativas dos clientes está alterando o modelo tradicional de assistência médica.

Um estudo recente mostrou que 73% dos entrevistados prefeririam um portal online seguro para simplificar a obtenção de resultados de laboratório, solicitar consultas, pagar contas médicas e se comunicar com o consultório médico. O estudo constatou que: “A conveniência do acesso a qualquer hora e em qualquer lugar é tão importante que quase metade [dos pesquisados] consideraria mudar de médico para uma prática que oferecesse a capacidade de se comunicar e concluir importantes tarefas de saúde on-line”.

Portanto, muitas organizações de saúde estão implantando uma “porta digital frontal” (DFD) para facilitar experiências otimizadas digitalmente para seus pacientes que podem, a partir dessa ferramenta, fazer o check-in online quando chegam a uma unidade de saúde, em vez de esperar na fila para que uma recepcionista o faça. Eles podem fazer pagamentos on-line, agendar e reagendar compromissos e preencher pesquisas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

2
A telemedicina veio para ficar

As consultas virtuais se tornaram obrigatórias durante a pandemia, e está bem claro que a telemedicina fará parte de qualquer solução de saúde daqui para frente. Um relatório de serviços de saúde de 2021 da McKinsey & Company revelou que “novas análises indicam que o uso de telemedicina aumentou 38 vezes em relação à linha de base pré-COVID-19”. Este enorme aumento é uma prova positiva de que é um serviço que os pacientes agora esperam de seus provedores.

A telemedicina provavelmente se tornará parte cotidiana do tratamento de pacientes. Mas a adoção dessa tecnologia requer habilidades e ferramentas adicionais para os profissionais. A escuta ativa e a comunicação médico-paciente se tornam uma grande prioridade à medida que você passa da sala de exames para a sala de Zoom.

O interesse comercial em telemedicina também cresceu, com startups e empresas estabelecidas, como a Amazon, fornecendo serviços de atendimento virtual. Um segmento específico que provavelmente observará alto crescimento é a saúde comportamental e mental, onde várias empresas já estão competindo para fornecer aconselhamento remoto.

3
IA e a análise preditiva

Uma nova fronteira está se expandindo em termos de melhoria da capacidade de tomada de decisão dos médicos usando inteligência artificial e análise preditiva. Movimentos que representam grande avanço para muitas organizações de saúde. Em vez de simplesmente apresentar informações sobre eventos passados a um usuário, a análise preditiva agora pode estimar a probabilidade de um resultado futuro com base em padrões observados em dados históricos. Essa é uma grande vantagem, pois permite que os profissionais de saúde fiquem à frente da curva em termos de atendimento e tomem decisões informadas baseadas em dados para prescrever tratamentos aos pacientes. Esses tipos de sistemas de apoio à decisão clínica também posicionam as organizações de saúde para identificar de forma proativa os pacientes que têm um risco elevado de desenvolver condições médicas complicadas e ajudá-los a evitar problemas de saúde de longo prazo que são caros e difíceis de tratar.

LEIA TAMBÉM: “Com mais ferramentas de combate, pandemia perderá força”, diz CEO da Pfizer Brasil

4

Software de análise de imagens médicas

A imagem médica, usada por radiologistas, cardiologistas e patologistas para diagnosticar uma ampla variedade de condições, é uma das áreas de descoberta mais rápidas na medicina. A complexidade das imagens de alta resolução, como raios-X, tomografia computadorizada e ressonância magnética, pode tornar difícil a análise em tempo hábil. Recentemente, os médicos recorreram à IA como forma de ajudar a decifrar grandes quantidades de exames, com eficiência e precisão. Isso ajuda os médicos a identificar melhor doenças específicas, como o câncer, e a tratá-las com mais eficácia.

5
Revolução alimentada por IA

A amplitude das contribuições da IA para transformar o setor de saúde transcende os limites do atendimento clínico. A maioria das organizações de saúde hoje está sofrendo com o que pode ser chamado de “explosão de dados”. Elas têm uma enorme quantidade de dados sob seu controle, e está crescendo exponencialmente. Além disso, os registros médicos dos pacientes são armazenados em grande parte na forma de dados não estruturados complicados, tornando extremamente difícil processar e analisar.

A IA será usada extensivamente para padronizar dados médicos, independentemente do formato. Veremos mais aplicativos voltados para a eficiência operacional que auxiliam os médicos automatizando tarefas mundanas e reduzindo sua carga administrativa, liberando-os para direcionar sua energia e talentos para empreendimentos mais centrados no ser humano. A automação na cadeia de suprimentos e o processo de gestão financeira também ajudarão a eliminar o desperdício e liberar o potencial do capital humano.

Compartilhe esta publicação: