Exclusivo: por dentro da venda de NFTs do governo ucraniano

Conheça a história dos três jovens empreendedores que criaram tokens retratando o atual momento da guerra no país.

Abram Brown
Compartilhe esta publicação:
Reprodução

Uma das NFTs que serão vendidas na próxima semana que retrata um ataque com mísseis à Ucrânia no mês passado

Acessibilidade


O plano foi elaborado há algumas semanas, durante alguns drinks em um pub no Soho, bairro de Londres. O ataque da Rússia à Ucrânia havia começado e o governo daquele país já havia descartado um plano de angariar fundos para a guerra por meio de NFTs, os tokens criptográficos que dispararam em popularidade no ano passado, acumulando dezenas de bilhões de dólares em valor globalmente. Tudo o que a Ucrânia precisava para fazer uma venda de NFT era o parceiro certo, disse Isaac Kamlish a seus amigos.

Especificamente, disse Kamlish, o governo da Ucrânia precisava dele e dos outros trabalhando em sua startup de criptomoedas, a Fair.xyz – mesmo que não houvesse nada que sugerisse que eles eram as melhores pessoas para o trabalho. No entanto, Kamlish deixou o bar, foi para casa e enviou mensagens para todos os endereços de e-mail do governo ucraniano que conseguiu encontrar, oferecendo os serviços da Fair.xyz.

LEIA TAMBÉM: Criptomoedas: como a invasão russa mudou drasticamente a estratégia blockchain da Ucrânia

Para sua surpresa, as autoridades ucranianas aceitaram a oferta. “Eles ficaram tipo, ‘Sim, nós realmente adoraríamos alguma ajuda’”, lembra Kamlish, um ex-engenheiro de software do Facebook de 25 anos. “De repente, estamos em todos esses grupos do Telegram e reuniões tarde da noite com funcionários do governo. É absolutamente maluco.” A primeira venda , que a Fair.xyz montou, está planejada para a próxima quarta-feira. A expectativa é arrecadar entre US$ 2 e US$ 3 milhões. “É um momento especial para nós mesmos”, diz Kamlish, “mas também para as criptomoedas”.

Ao longo do conflito com a Rússia, as autoridades ucranianas provaram usar a internet para aumentar o apoio, esforços liderados pelo presidente Volodymyr Zelensky, um ex-ator que usou as mídias sociais para conquistar corações e mentes no Ocidente. E dinheiro. A Ucrânia acumulou quase US$ 66 milhões em criptomoedas doadas, a primeira instância pública de um país que financia uma guerra por meio desses ativos digitais. A próxima venda da NFT – e o improvável envolvimento da Fair.xyz – é o exemplo mais recente da disposição da Ucrânia de adotar novas tecnologias em seus esforços para vencer a guerra com a Rússia.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

NFT como tendência disruptiva

A venda planejada é um forte sinal da rapidez com que os NFTs surgiram como uma tendência disruptiva nas finanças globais, apesar do histórico amplamente não comprovado da tecnologia baseada em blockchain e da falta de ativos físicos subjacentes aos ativos e à maioria das outras criptomoedas. Também mostra até onde o ucraniano irá para apoiar sua defesa. “Enquanto os russos estão tentando nos destruir com mísseis de cruzeiro e tanques, ainda acreditamos em nosso futuro brilhante. E acreditamos na tecnologia”, diz o ministro da Transformação Digital da Ucrânia, Mykhailo Fedorov. “O futuro é sobre tecnologia, e o futuro é definitivamente nosso.”

LEIA TAMBÉM: Agências reguladoras de todo o mundo monitoram uso de criptomoedas em guerra na Ucrânia

A venda na Ucrânia contará com 5.000 a 7.000 NFTs ao preço de cerca de US$ 450 cada e vendidas na blockchain Ethereum. A arte digital que acompanha vem de dezenas de artistas ucranianos selecionados pelo governo ucraniano, representando momentos e cenas da guerra, uma coleção intitulada “Meta History”. Uma imagem mostra um navio de guerra, armas disparando – o ataque de 24 de fevereiro de um navio russo na Ilha da Cobra, um impasse agora famoso online por meio de vídeos que supostamente mostram a recusa das tropas ucranianas em se render. Outra mostra a usina de Chernobyl banhada em um fundo vermelho brilhante, marcando o dia em que as forças russas tomaram a instalação. Um terceiro: Zelensky cumprimentando o presidente finlandês Sauli Niinisto, comemorando a decisão da Finlândia de enviar US$ 50 milhões em ajuda antecipada à Ucrânia.

Os fundadores

E quem são exatamente os aliados da Ucrânia na venda da NFT? Há Kamlish, que deixou seu emprego em uma equipe focada em blockchain no Instagram apenas no mês passado para iniciar o Fair.xyz. A startup pretende vender software que simplifique a criação de NFTs e reduza o custo para adquiri-los. Um segundo cofundador é Isaac Bentata Chocron. Ele deixou uma mesa de negociação quantitativa do Goldman Sachs para se juntar a Kamlish, um ex-colega de classe da University College London. O terceiro cofundador é Nathan Cohen, outro ex-engenheiro do Facebook. Eles operam a partir de um pequeno escritório em Finchley, um bairro residencial no noroeste de Londres. Os três são judeus praticantes e fazem uma pausa na internet a cada semana para observar a proibição da religião sobre tecnologia durante o sábado.

Compartilhe esta publicação: