Conheça as startups que fundo de R$ 4,8 bi da Amazon vai apoiar

Gigante do varejo criou o fundo para investir em empresas que usam tecnologia para melhorar a cadeia de suprimentos, atendimento e logística.

Amy Feldman
Compartilhe esta publicação:
Cortesia da Agility Robotics
Cortesia da Agility Robotics

Damion Shelton da Agility Robotics e sua equipe, juntamente com três robôs Digit. Empresa recebeu investimento da Amazon

Acessibilidade


Robôs ambulantes e dançantes atraíram muita atenção, mas o uso real de robôs bípedes permanece relativamente limitado até hoje. Damion Shelton e Jonathan Hurst, amigos desde seus dias de pós-graduação em robótica na Carnegie Mellon University, se uniram há sete anos para mudar isso.

Sua empresa, a Agility Robotics, com sede em Corvallis, Oregon, projetou um robô elegante turquesa e prata chamado Digit, que pode realizar tarefas básicas exigidas em um armazém, onde a força de trabalho com poucos funcionários foi levada ao limite para trabalhar cada vez mais rápido sem erros. O Digit pode se agachar para pegar caixas, estender a mão para colocá-las nas prateleiras e parar quando sentir uma pessoa ou barreira no caminho.

“Queríamos entrar no espaço de logística de forma ampla porque o custo da mão de obra é alto e há tarefas fáceis de automatizar”, diz Shelton, 44, que fundou anteriormente uma empresa de digitalização 3-D e é CEO da Agility. “O que focamos são as tarefas de manipulação em massa que não exigem muito julgamento ou destreza.”

A Agility, que levantou um total de US$ 180 milhões (R$ 863,4 milhões) em uma avaliação não divulgada, é um dos cinco investimentos iniciais do novo fundo de inovação industrial de US$ 1 bilhão (R$ 4,8 bilhões) da Amazon.

A gigante do varejo anunciou na quarta-feira que criou o fundo para investir em empresas que usam tecnologia para melhorar a cadeia de suprimentos, atendimento e logística. A mudança ocorre quando a inovação industrial, antes vista como um retrocesso para investimentos, tornou-se uma área cada vez mais quente, com dezenas de novas empresas surgindo para melhorar o armazenamento e a logística, bem como para introduzir tecnologias no chão de fábrica.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Cada uma das cinco empresas que a Amazon escolheu para seus investimentos iniciais tem uma tecnologia específica que pode ser extremamente útil para os armazéns do varejo Goliath.

Além da Agility, as empresas incluem a Modjoul, que fabrica tecnologia de segurança vestível, com sede em Greenville, Carolina do Sul; a Vimaan, de Santa Clara, Califórnia, que usa visão computacional e inteligência artificial para melhorar o gerenciamento de estoque; a BionicHive, de Israel, que desenvolveu uma solução robótica autônoma para se adaptar às prateleiras e caixas existentes nos armazéns; e a Mantis Robotics, de São Francisco, que criou um braço robótico tátil que usa tecnologia de sensores para trabalhar de forma coesa ao lado das pessoas. Para cada uma das empresas, ter a Amazon como investidora oferece tanto um selo de aprovação quanto um potencial cliente gigante para sua tecnologia.

Eric Martinez, ex-chefe de sinistros da gigante de seguros AIG, fundou a Modjoul em 2016 para tratar dos ferimentos que ele viu durante anos nessa função. “Somos uma empresa jovem e desconexa que cuida das pessoas”, diz ele. Em sua vida corporativa anterior, o executivo de seguros, agora com 53 anos, tinha 30 mil pessoas subordinadas a ele; como CEO da Modjoul, ele montou a empresa em um pequeno escritório acima de uma pizzaria perto do campus da Clemson University enquanto trabalhava em sua casa em Mercer Island, Washington.

A empresa desenvolveu um cinto, que usa acelerômetros, giroscópios e magnetômetros, para medir como os funcionários se movimentam durante o dia e apita quando esses movimentos podem causar lesões. A empresa também desenvolveu um dispositivo semelhante para mãos e pulsos que comercializa com a Ansell, bem como um sistema de identificação por radiofrequência, ou RFID, para garantir que os dispositivos (ou qualquer outra coisa que um cliente precise acompanhar) fique no local.

Demorou muito tempo para conseguir clientes no espaço de segurança do trabalho, e a pandemia foi particularmente difícil, pois fabricantes e varejistas estabeleceram protocolos rígidos para Covid. Mas no ano passado, a empresa ganhou força, ajudada pelo aumento da aceitação do consumidor de wearables como o Apple Watch e outros dispositivos de fitness. A receita da Modjoul atingiu quase US$ 5 milhões (R$ 24 milhões) no ano passado e seus dispositivos agora protegem cerca de 80 mil funcionários em mais de 50 empresas, diz Martinez. “Somos muito bons em escolher quem tem maior probabilidade de se machucar”, diz ele.

Isso é especialmente importante, diz ele, porque a maioria dos funcionários vão se abaixar e virar corretamente, mas que não o fazem acabam com a maior parte das lesões. Essas lesões são terríveis para os funcionários que as sofrem e também caras para as empresas em termos de dias de doença e custos de seguro dos trabalhadores. Na carta aos acionistas da Amazon na semana passada, o CEO Andy Jassy prometeu melhorar a segurança dos trabalhadores com foco na redução de tensões, entorses, quedas e lesões por esforço repetitivo. Ele observou que os programas da empresa incluíam “vestíveis que avisam os funcionários quando eles estão se movendo de maneira perigosa”.

O investimento da Amazon em wearables industriais que melhoram a segurança dos trabalhadores ocorre quando o concorrente da Modjoul, StrongArm Technologies, que tem o Walmart como cliente, levantou US$ 50 milhões (R$ 239,83 milhões) para sua própria expansão. “Você pode ver as linhas de batalha”, diz Martinez.

À medida que a Modjoul se expande, Martinez acredita que há espaço para coletar dados ambientais crescentes, como se o som é alto o suficiente para exigir tampões de ouvido ou se a iluminação cria um risco de tropeçar e cair. Mas uma coisa que ele diz que não fará é adicionar sensores biométricos aos dispositivos. “Essa é uma ponte longe demais para obter batimentos cardíacos e padrões respiratórios”, diz ele. “Tivemos funcionários perguntando: ‘Isso tem um sensor de álcool no sangue? Tem um microfone nele?’ Temos que conquistar a confiança deles.”

Enquanto isso, SK “KG” Ganapathi fundou a Vimaan, que oferece informações sobre o que está acontecendo com o estoque. “Há muita coisa acontecendo com a robótica tradicional, movendo coisas de um lugar para outro, mas falta visibilidade”, diz ele.

Ganapathi, um empreendedor em série de 57 anos que vendeu suas empresas anteriores para Lenovo e Qualcomm, iniciou o negócio em 2017 para projetar drones para armazéns internos. Logo, seus clientes lhe disseram que o que eles realmente precisavam era de gerenciamento de estoque. Então, ele reorientou a Vimaan, que havia arrecadado quase US$ 25 milhões (R$ 120 milhões) da NEA, Wing VC e Neotribe Ventures antes do anúncio da Amazon, para rastrear o estoque usando visão computacional e inteligência artificial.

O rastreamento da Vimaan chega aos mínimos detalhes, incluindo não apenas códigos de barras, mas também datas de validade, números de série e afins, e o faz em tempo real à medida que os itens se movem do armazém para uma loja ou um cliente individual. “Um código de barras é como representar um carro pela placa”, diz Ganipathi. “Não informa se o produto está danificado, se é antigo ou se é novo.”

Isso permite que os clientes da Vimaan – ele se recusa a nomeá-los, embora diga que eles abrangem alimentos, telecomunicações, médicos e farmacêuticos, bem como empresas de logística terceirizadas – saber exatamente onde estão os produtos e capturar erros e discrepâncias em tempo real. Se um cliente fizer uma reclamação por um item perdido, por exemplo, o varejista poderá ver imediatamente o que aconteceu e se ele está dizendo a verdade.

Ganipathi diz que o resultado é que os clientes veem um retorno do investimento em meses em vez de anos. “Qualquer outra implementação oferece um ROI em um período de dois ou três anos”, diz ele. “Nós lhe damos um ROI em três a sete meses. O valor vem da redução de suas perdas de estoque e de tornar os trabalhadores muito mais eficientes e produtivos.”

Cortesia da Agility Robotics

O cofundador e diretor de tecnologia da Agility Robotics, Jonathan Hurst, do Carnegie Mellon Robotics Club.

Quanto à Agility, o financiamento da Amazon é apenas parte de um grande investimento da Série B, totalizando US$ 150 milhões (R$ 719,5 milhões), liderado pelos investidores de tecnologia profunda DCVC e Playground Global. Embora seus primeiros robôs tenham sido usados ​​em grande parte para pesquisa e desenvolvimento e a Ford Motor tenha recebido os dois primeiros robôs Digit para explorar a entrega de última milha, a Agility pretende usar o novo financiamento para acelerar a entrega desses robôs a empresas que lutam para contratar trabalhadores de armazém.

Shelton calcula que a Agility já vendeu “dígitos duplos” dos robôs em sua série atual e que deve ser capaz de vender “centenas de unidades” até o final de 2023, com os números subindo rapidamente até 2025. Isso, ele destaca, é diferente do que aconteceu com muitos robôs, incluindo aqueles que se saíram bem nos vários desafios da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa, ou Darpa, onde uma tecnologia incrível não resultou em vendas comerciais.

“Nós vendemos cada versão de cada robô. Nunca fizemos nada que fosse puramente um estudo de engenharia”, diz ele. “Você tem que colocar a tecnologia lá fora.”

>> Inscreva-se ou indique alguém para seleção da lista Forbes Under 30 2022

Compartilhe esta publicação:

Temas