O fim do iPod: conheça outros ícones da tecnologia que deixaram saudades

A Apple anunciou o fim da produção do device após 20 anos, o equipamento foi um dos percursores do consumo de música sob demanda.

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Getty Images

O iPod passou por várias versões desde a sua primeira, que tinha capacidade para armazenar 1.000 músicas e uma bateria de 10 horas.

Acessibilidade


Após pouco mais de 20 anos de seu lançamento, o iPod deixará de ser fabricado. O anuncio foi feito pela Apple nesta semana. O device foi percursor da era do consumo de musica sob demanda e simbolizou o início de uma revolução. O iPod Touch, a única versão do tocador de música portátil ainda à venda, estará disponível até durarem os estoques. Desde o lançamento em 2001, o iPod enfrentou uma tempestade de concorrentes antes de ser eclipsado pelos smartphones, streamings de música online e, dentro da Apple, pela ascensão do iPhone.

Leia mais: BlackBerry encerra serviços de sua linha de smartphones

O iPod passou por várias versões desde a sua primeira, que tinha capacidade para armazenar 1.000 músicas e uma bateria de 10 horas. A versão que era fabricada até hoje – o iPod Touch – foi lançada em 2007, mesmo ano do iPhone. A Apple parou de reportar as vendas do iPod em 2015.

Confira outras tecnologias que deixaram saudades:

Mike Cassese/Reuters
Mike Cassese/Reuters

O Blackberry foi pioneiro no envio de e-mails e mensagens instantâneas

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O fim da era Blackberry

No dia 4 de janeiro de 2022, os icônicos celulares da BlackBerry, que fizeram história como símbolo de tecnologia, se aposentaram. O suporte para os dispositivos foi interrompido, o que passou a impossibilitar o uso de dados, SMS, chamadas e mensagens de texto. Inicialmente, isso ocorreu para aqueles modelos que operam o Blackberry OS, os que rodam Android, por enquanto, seguem funcionando. A última versão do sistema operacional foi lançada em 2013 e, desde que foi criado, em 1999, o aparelho sempre foi associado à tecnologia de ponta. A repercussão nas redes sociais do “fim” de um ícone fez ressurgir a nostalgia em relação a outros devices e conceitos que, de certa forma, marcaram uma era.

O adeus da Nokia

Em 2011, a Nokia fechou sua fábrica na Europa, demitiu 3 mil funcionários e colocou o fim a uma história de décadas e inovações para celulares. Em 2021, a empresa desativou sua planta na Finlândia, seu país de origem. A marca foi responsável por ícones como o modelo 1011, lançado em 1992 e um dos primeiros modelos disponíveis para o público em geral.

Celulares LG

A LG, que em 2013 tornou-se a maior fabricante de celulares no mundo, iniciou uma disputa direta com Apple, Motorola e Huawei, mas não conseguiu manter a liderança e precisou fechar em definitivo o negócio de telefonia celular em todo o mundo no ano passado. A decisão foi justificada pela companhia como uma maneira de focar em outros negócios estratégicos.

Leia mais: Apple encerra produção do iPod após 20 anos

Features Phones

Eram celulares antigos que só serviam para ligações telefônicas, envio de SMS e recursos limitados de multimídia e internet. Em 2015, apenas 20% dos aparelhos que foram vendidos eram feature phones, no ano de 2018, a febre foi substituída pelos smartphones. A queda dos celulares mais “simples” aconteceu devido à queda dos preços dos celulares inteligentes; crescimento da cobertura de internet móvel; e o uso de banda larga.

Câmeras Digitais

As câmeras digitais revolucionaram a maneira de tirar fotos, oferecendo a possibilidade de obter a foto assim que ela foi tirada e logo em seguida publicá-la nas redes sociais. Popularmente conhecidas, as câmeras digitais foram as queridinhas do público durante anos e foram substituídas por smartphones e tablets já vinham com uma câmera embutida.

MP3 Player

Os MP3 Players foram uma febre, pois um aparelho tão pequeno era capaz de armazenar até 20 mil músicas, dependendo da marca do player. Eles tornaram-se obsoletos porque a única funcionalidade do aparelho era reproduzir músicas, e mais uma vez, os smartphones reuniam essa e outras funções em um único aparelho. Atualmente, a prática de ouvir músicas no próprio celular foi substituída por pelo streaming musical em aplicativos gratuitos ou pagos como Spotify, Deezer, Apple Music, entre outros.

Compartilhe esta publicação: