O que a mais recente missão privada ao espaço diz sobre o futuro da ciência?

Este é o marco mais recente envolvendo o setor privado e a exploração espacial, com a Axiom Space lançada a bordo de uma cápsula SpaceX Dragon 9.

Kath MacKay
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Foguete sendo lançado em Cabo Canaveral, nos Estados Unidos

Acessibilidade


No início desta semana, a primeira tripulação de astronautas totalmente privada do mundo a visitar a Estação Espacial Internacional retornou à Terra após completar com sucesso sua missão. Este é o mais recente de uma série de marcos recentes envolvendo o setor privado e a exploração espacial, com a empresa de voos espaciais Axiom Space sendo lançada a bordo de uma cápsula SpaceX Dragon 9. Ou, como os mais cínicos entre nós podem apontar, o exemplo mais recente das façanhas extremas dos super-ricos enquanto brincam com os turistas espaciais.

Mas deixando de lado o debate sobre bilionários e suas façanhas que esta história destaca, há uma lição interessante aqui sobre o futuro da descoberta científica. A ciência pode ser um negócio caro. E, como já observei muitas vezes antes, não é a oportunidade de investimento mais atraente para quem quer ganhar dinheiro rápido. Os retornos podem levar anos – e nem sempre são uma certeza quando o que você está apoiando pode ser pouco mais do que uma ideia promissora.

É por isso que o papel do Estado sempre foi tão crítico para a descoberta. Nenhuma empresa privada na década de 1960 teria financiado a corrida espacial. Além de colocar humanos na lua, a ciência patrocinada pelo estado desbloqueou algumas das maiores inovações do mundo moderno. A DARPA dos EUA ajudou a desenvolver a internet e o GPS – e o Reino Unido está agora procurando replicar o sucesso do modelo com sua iniciativa ARIA.

Hoje, também temos o CERN – o maior laboratório de física de partículas do mundo – e o Horizon Europe da UE, um orçamento de pesquisa e inovação de 95,5 bilhões de euros do qual o Reino Unido ainda fará parte. Ambas as iniciativas recebem apoio estatal significativo. O problema é que governos como o do Reino Unido, que pediram austeridade pouco antes da pandemia, agora precisam consertar as finanças públicas mais uma vez. Sua generosidade não pode ser contada sozinha.

LEIA TAMBÉM: Nasa apresenta espaçonave em busca de asteroide que vale mais do que a economia global

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O capital privado agora está dominando a indústria espacial, e não apenas no chamado turismo espacial. A SpaceX agora está transportando regularmente astronautas da NASA de e para a ISS. Ser capaz de atender clientes estatais e privados torna viáveis ​​modelos de negócios para empresas como a SpaceX.

O que impulsionou a corrida espacial a partir dos anos 1960 foi a geopolítica, um desejo que esfriou desde a queda da União Soviética. Mas enquanto o apetite do governo dos EUA pode ter diminuído, as oportunidades de descoberta não pararam. Trabalhar com parceiros do setor privado manteve viva a exploração espacial.

O truque, ao que parece, é alinhar as demandas do livre mercado com os esforços científicos de longo prazo normalmente apoiados pelos governos. Mas e as áreas que não têm o mesmo apelo romântico que o espaço tem para nossos bilionários?

Novos modelos inovadores de financiamento público são um caminho. Em novembro, escrevi sobre os perigos de uma pandemia oculta ser alimentada pelo aumento da resistência aos antibióticos. Há pouca oportunidade comercial para as empresas farmacêuticas no desenvolvimento de novos medicamentos nesta área.

No Reino Unido, surgiu uma nova e empolgante ideia para criar um modelo de assinatura no estilo Netflix, no qual o NHS pagará às empresas farmacêuticas uma taxa anual, independentemente de quantas doses sejam prescritas. Isso fornecerá o financiamento inicial necessário para estimular novas P&D.

Este é o primeiro e verdadeiro avanço mundial na luta contra a resistência aos antibióticos. Ao pagar de acordo com o valor do que os medicamentos entregam ao serviço de saúde, em vez de uma base transacional por uso, a equação foi invertida e uma grande barreira removida.

A filantropia é outro caminho. Considere o trabalho incrível que foi feito no tratamento da AIDS e nas vacinas contra a malária, graças ao financiamento da Fundação Bill e Melinda Gates (talvez bilionários não sejam tão ruins assim?).

Encontrar mais maneiras de conectar o capital público e privado ajudará a ciência a fornecer mais soluções para os desafios mais exigentes e intensivos em tempo e recursos da humanidade.

Compartilhe esta publicação: