Projeto lança arte digital para recuperar artefatos africanos

Os pedidos para que os objetos roubados durante o período colonial sejam devolvidos aos seus locais de origem se intensificaram recentemente

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Peça de arte africana saqueada da Nigéria

Acessibilidade


Um nigeriano lançou um projeto chamado “Looty” para recuperar artefatos africanos roubados por colonizadores europeus criando imagens em 3D deles, vendendo-os como tokens não fungíveis (NFTs) e usando os recursos para financiar jovens artistas africanos.

Os pedidos para que os objetos roubados durante o período colonial sejam devolvidos aos seus locais de origem se intensificaram nos últimos anos, e instituições ocidentais enviaram itens de volta para países como Nigéria e Benin.

Chidi Nwaubani, fundador da Looty, descreveu seu projeto como uma forma alternativa de repatriação, pela qual as tecnologias digitais são usadas para recuperar uma medida de controle e propriedade sobre artefatos ainda mantidos longe da África.

“Imagine um mundo onde esses itens nunca foram saqueados”, disse Nwaubani à Reuters em entrevista. “Estamos apenas tentando reimaginar esse mundo e trazê-lo para a forma digital.”

O processo começa com o que Nwaubani chamou de “roubo de arte digital”, um procedimento perfeitamente legal no qual um membro da equipe Looty vai a um museu e escaneia um objeto alvo usando tecnologia que pode ser usada para criar uma imagem 3-D.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
Compartilhe esta publicação: