Tesla falha na tentativa de mover processo de assédio sexual para arbitragem

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Daniel Wiessner

(Reuters) – Um juiz da Califórnia rejeitou a proposta da Tesla de enviar para arbitragem uma ação alegando assédio sexual generalizado na principal fábrica de montagem da empresa.

O juiz do Tribunal Superior da Califórnia, Stephen Kaus, negou a na segunda-feira a moção de Tesla para mandar o caso para arbitragem.

Em um parecer escrito, Kaus disse que a Tesla pressionou indevidamente a demandante, Jessica Barraza, a assinar um acordo de resolução de conflitos depois que ela já havia deixado seu emprego anterior.

“Basicamente, Barraza foi emboscada”, escreveu o juiz.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A ex-funcionária, na ação movida em novembro, alega que trabalhadores e supervisores da fábrica de Fremont, Califórnia, rotineiramente faziam comentários e gestos obscenos para funcionárias, e que a empresa não tratou das queixas.

O processo é um dos ao menos sete pendentes no tribunal da Califórnia com reivindicações semelhantes contra a Tesla. Kaus está presidindo mais cinco desses casos.

A Tesla não respondeu imediatamente a um pedido de comentário nesta terça-feira.

Juntamente com as reivindicações pendentes de assédio sexual, a Tesla está enfrentando processos que a acusam de tolerar discriminação racial generalizada em suas fábricas. Um juiz da Califórnia concedeu no mês passado 15 milhões de dólares a um ex-trabalhador negro que disse ter sido submetido a insultos racistas e pichações de colegas de trabalho.

A Tesla disse que não tolera assédio e que disciplinou e demitiu trabalhadores que se envolveram em má conduta.

Compartilhe esta publicação: