Celulares da Apple e Android foram hackeados em dois países, diz Google

Em relatório, o Google informou sobre ataques hackers na Itália e no Cazaquistão.

Reuters
Compartilhe esta publicação:
SOPA Images/Getty Images
SOPA Images/Getty Images

Relatório do Google informou sobre ataques hackers na Itália e no Cazaquistão.

Acessibilidade


As ferramentas de hacking de uma empresa italiana foram usadas para espionar smartphones Android e da Apple na Itália e no Cazaquistão, disse o Google, em relatório divulgado hoje (23).

O RCS Lab, com sede em Milão, que afirma ter agências policiais europeias como clientes, desenvolveu ferramentas para espionar mensagens privadas e contatos dos dispositivos alvo, segundo o relatório.

Acompanhe em primeira mão o conteúdo do Forbes Money no Telegram

As descobertas do Google sobre o RCS Lab ocorrem no momento em que reguladores europeus e norte-americanos avaliam possíveis novas regras sobre venda e importação de spywares.

“Esses fornecedores estão permitindo a proliferação de ferramentas de hacking perigosas e armando governos que não seriam capazes de desenvolver esses recursos internamente”, disse o Google.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A Apple e os governos da Itália e do Cazaquistão não comentaram o assunto.

O RCS Lab afirma que seus produtos e serviços cumprem as regras europeias e ajudam as agências de aplicação da lei a investigar crimes.

“O pessoal do RCS Lab não está exposto nem participa de nenhuma atividade conduzida pelos clientes relevantes”, disse a empresa por email, acrescentando que condena qualquer abuso de seus produtos.

O Google disse que tomou medidas para proteger os usuários de seu sistema operacional Android e os alertou sobre o spyware.

A indústria global de spyware ficou sob os holofotes globais quando o software Pegasus, da empresa de espionagem israelense NSO, foi descoberto nos últimos anos como tendo sido utilizado por vários governos para espionar jornalistas, ativistas e dissidentes.

Embora a ferramenta do RCS Lab possa não ser tão furtiva quanto a Pegasus, ela ainda pode ler mensagens e visualizar senhas, disse Bill Marczak, pesquisador de segurança da agência de vigilância digital Citizen Lab.

Em seu site, o RCS Lab se descreve como um produtor de tecnologias e serviços de “interceptação legal”, incluindo voz, coleta de dados e “sistemas de rastreamento”. A empresa diz que lida com 10 mil alvos interceptados diariamente apenas na Europa.

Em alguns casos, o Google disse acreditar que hackers usando o spyware da RCS trabalharam com o provedor de serviços de internet do alvo, o que sugere que eles tinham vínculos com atores apoiados pelo governo, disse Billy Leonard, pesquisador sênior do Google.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: