Índia envolve bancos em programa de e-commerce para enfrentar Amazon e Walmart

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Munsif Vengattil e Nupur Anand

NOVA DÉLHI (Reuters) – O esforço da Índia para acabar com o domínio da Amazon e do Walmart no comércio eletrônico, definindo uma rede própria aberta, evoluiu para alinhar bancos e outros participantes, disseram fontes familiarizadas com o assunto.

Alguns dos maiores bancos da Índia estão discutindo sobre a criação de plataformas de compradores para permitir que seus clientes façam pedidos de bens e serviços pela Open Network for Digital Commerce (ONDC), que o governo indiano lançou em abril, disseram as fontes à Reuters.

O sucesso da rede, que promete igual acesso a todos os vendedores e compradores online, independente do tamanho, é uma prioridade do primeiro-ministro Narendra Modi, que enfrenta pressão de pequenas empresas para agir contra a enorme influência da Amazon e do Flipkart, do Walmart, no comércio eletrônico indiano.

Koshy disse que conversou com bancos, investidores de risco e empresas de telecomunicações, mas não citou nomes.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O comércio eletrônico indiano movimentou mais de 55 bilhões de dólares em 2021 e crescerá para 350 bilhões de dólares até o fim desta década, segundo previsões do governo. A Amazon e a Flipkart controlam mais de 60% desse mercado, que hoje responde por cerca de 8% das compras dos consumidores em um país de 1,35 bilhão de pessoas.

O ONDC pretende cobrir pelo menos 100 cidades e vilas até agosto, com a meta de conquistar 900 milhões de compradores e 1,2 milhão de vendedores em cinco anos.

O diretor digital do do Bank of Baroda, Akhil Handa, disse que seu banco estava conversando sobre o projeto, mas era muito cedo para falar sobre casos de uso específicos.

State Bank of India, Axis Bank, Punjab National Bank, ICICI, HDFC, Kotak Mahindra e IDFC First estão entre outros bancos em discussões com a ONDC para estabelecer plataformas de compradores, disseram à Reuters três fontes a par do assunto.

Os outros bancos não responderam aos pedidos de comentários.

(Por Munsif Vengattil e Nupur Anand)

Compartilhe esta publicação: