Instagram testa novas ferramentas para verificação de idade

O Instagram, está testando duas novas maneiras de verificar a idade de uma pessoa, além de permitir o envio de prova de identidade online

Reuters
Compartilhe esta publicação:
Dado Ruvic/Reuters
Dado Ruvic/Reuters

Pessoas mexendo no celular

Acessibilidade


O Instagram está testando novas opções para verificação de idade dos usuários da plataforma, começando pelos Estados Unidos, disse a rede social hoje (23).

O Instagram, de propriedade da Meta, está testando duas novas maneiras de verificar a idade de uma pessoa, além de permitir o envio de prova de identidade online.

“Quando sabemos que alguém é um adolescente (13-17 anos), fornecemos a ele experiência apropriadas à idade, como colocá-lo em conta privada, impedir o contato indesejado de adultos que ele não conheça e limitar as opções que os anunciantes têm para alcançá-lo com publicidade”, disse Erica Finkle, diretora de governança de dados da Meta, em um post em blog.

O Instagram anunciou uma parceria com a Yoti, empresa especializada em verificação de idade online, para garantir a privacidade dos usuários.

Os usuários podem enviar uma vídeo selfie para verificação etária, e a tecnologia da Yoti estima a idade com base nas características faciais. Tanto Meta quanto Yoti excluirão a imagem assim que houver a comprovação, disse o Instagram.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Outra opção é que as pessoas selecionem três seguidores mútuos para confirmar a idade do usuário. Nesse caso, a pessoa que assegura a idade deve ter pelo menos 18 anos.

A mudança ocorre após o Instagram interromper o lançamento do Instagram Kids no ano passado, na esteira de críticas e oposição ao projeto.

O Instagram Kids exigia a permissão dos pais e deveria fornecer conteúdo sem anúncios e apropriado para a idade, mas parlamentares e grupos de defesa dos Estados Unidos pediram à empresa que abandonasse os planos de lançamento, citando preocupações de segurança.

Compartilhe esta publicação: