Nova tecnologia genética permite aumentar níveis de THC na cannabis

A Growing Together Research Inc. e a Texas A&M Agrilife desenvolveram uma técnica para aumentar geneticamente os níveis de THC na maconha

A.J. Herrington
Compartilhe esta publicação:
Getty Images
Getty Images

Pé de cannabis alterada geneticamente

Acessibilidade


A empresa de biotecnologia Growing Together Research Inc., com sede em Indiana (EUA), anunciou esta semana que desenvolveu uma nova técnica para modular geneticamente a expressão do Delta-9-tetrahidrocanabinol (THC) na cannabis, incluindo a capacidade de aumentar os níveis do canabinóide em cultivares cultivadas para maconha recreativa ou medicinal.

Em agosto de 2020, a GTR fez parceria com a Texas A&M Agrilife Research para desenvolver e otimizar protocolos de transformação genética de cânhamo industrial para fins comerciais. No início deste ano, a parceria revelou que havia alcançado a primeira transformação e regeneração estável conhecida de cultivares de cânhamo sem THC. Os resultados incluíram edições genéticas validadas que devem eliminar ou quase eliminar a produção de THC e o canabinoide menor canabicromeno enquanto aumentam a expressão de canabidiol (CBD). Espera-se que as cultivares transformadas estejam prontas para o mercado no quarto trimestre de 2022 e destinam-se a ajudar os agricultores de cânhamo dos EUA a gerenciar o risco de sua colheita exceder os limites federais de THC, o que geralmente exige que o produtor destrua a colheita ou enfrente sérias consequências legais por cultivando maconha.

Leia mais: Cannabis atrai family offices em rodadas milionárias no Brasil

De acordo com uma pesquisa da New Frontier Data, mais de 10% da área plantada de cânhamo entre 2018 e 2020 ficou “quente”, excedendo o limite federal de 0,3% de THC. Além disso, pesquisas em uma seção transversal de variedades de cânhamo atualmente cultivadas publicadas pela Frontiers in Genetics indicam que muitas cultivares expressam níveis significativamente mais altos de THC do que os permitidos e níveis inconsistentes de CBD em comparação com os certificados de análise apresentados aos produtores.

Aumentando o THC

Depois de demonstrar a capacidade de “reduzir” ou “desligar” os genes que codificam a expressão de THC, o GTR agora está usando a mesma técnica para “aumentar” a expressão de THC. A empresa planeja lançar um esforço em colaboração com parceiros acadêmicos e comerciais no Canadá para criar cultivares de cannabis com expressão aprimorada de THC, com um conjunto inicial de variedades com alto teor de THC previsto para ser criado até o terceiro trimestre de 2023.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A capacidade científica de modular a expressão de THC para cima e para baixo, referida pela GTR como “Delta9 Dial”, representa um novo avanço na edição genética estável da planta de cannabis, que a empresa diz ser notoriamente difícil de transformar. A nova técnica também estabelece ainda mais as capacidades da plataforma de genômica do GTR, onde os produtores podem escolher em um menu de características para personalizar a genética de suas plantas e otimizar seu valor.

Samuel E. Proctor, CEO da GTR, diz que o Delta9 Dial poderia eventualmente ser usado para modular os níveis de THC na cannabis para uma porcentagem específica.

“A mesma técnica que estamos usando para criar uma planta de THC silenciada também pode ser usada para modular os níveis de CBD e CBC; qualquer conteúdo de canabinóide que nossos clientes e parceiros estejam procurando”, diz Proctor em uma entrevista virtual.

A técnica também parece ser eficaz na maioria, se não em todas as cultivares de cannabis, permitindo que os cultivadores aumentem a potência do THC para 30% ou mais em variedades de maconha já populares entre os consumidores.

“Começamos com cinco cultivares diferentes no laboratório e conseguimos transformar com sucesso e estabilidade todas as cinco cultivares”, relata Proctor. “Esse sucesso indica que nossa técnica deve ser aplicável a todas as cultivares, seja para silenciar ou aumentar os níveis de THC.”

Os fumantes estão prontos para a erva OGM?

Embora o mercado de cannabis tenha uma tendência pronunciada de comprar maconha em grande parte com base na potência do THC, ainda não se sabe se os consumidores gastarão seu dinheiro em cannabis geneticamente modificada.

“Hoje, os OGMs (organismos geneticamente modificados) tornaram-se um substituto para o moderno Complexo Agroindustrial, que com razão atraiu muita imprensa negativa e envenenou a opinião pública contra os OGMs”, reconhece Dimitri Samaratunga, COO da GTR.

Mas ele diz que as reservas comuns sobre alimentos OGM não se aplicam à técnica do GTR para aumentar ou reduzir os níveis de THC na cannabis.

“Em geral, achamos que a preocupação significativa com os OGMs decorre do medo de embaralhar genes de maneira não natural entre diferentes organismos/espécies para criar um “organismo Frankenstein” – essa não é a nossa abordagem”, explica Samaratunga. “Em vez disso, o GTR está introduzindo uma sequência curta de DNA que bloqueia a produção de uma única enzima envolvida em um único ramo da via biossintética dos canabinóides. Não há genes estranhos adicionados de outros organismos.”

Proctor acrescenta que a biotecnologia está sendo usada atualmente para melhorar as dietas, aumentando o conteúdo nutricional dos alimentos, ampliando e melhorando a variedade de frutas e vegetais disponíveis. Ele também observa que a biotecnologia pode ajudar o meio ambiente diminuindo nosso uso de pesticidas e herbicidas químicos nocivos, reduzindo o desmatamento, aumentando a produtividade agrícola e aumentando a capacidade de sequestro de carbono de uma planta.

“Esses benefícios claros são muitas vezes obscurecidos ou não discutidos no contexto da biotecnologia e da agricultura”, diz Proctor, “mas é importante mantê-los em mente para entender adequadamente como as abordagens baseadas na biotecnologia são benéficas”.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: