Vodafone e Google trabalham para prolongar vida útil de bateria de smartwatch com Wear OS

Compartilhe esta publicação:

 

Acessibilidade


Por Paul Sandle

LONDRES (Reuters) – A Vodafone está trabalhando com o Google para prolongar a vida útil da bateria de um smartwatch, reduzindo a “conversa” entre o dispositivo e a rede de dados sem fio, um consumo de energia maior do que o brilho da tela e outras configurações direcionadas aos modos de baixo consumo de energia.

O grupo britânico de telefonia móvel desenvolveu uma API (interface de programação de aplicativos) que permite que aplicativos e sistemas operacionais, como o Wear OS e o Android, do Google, reconfigurem a forma como se comunicam com sua rede, disse o diretor de arquitetura de rede da Vodafone, Santiago Tenorio.

“Com dispositivos vestíveis, como smartwatches e outros aparelhos, a duração da bateria é incrivelmente importante para nossos usuários”, disseram as empresas em comunicado conjunto na quinta-feira.

“É por isso que a Vodafone e a equipe Android do Google estão colaborando para otimizar a vida útil da bateria nos relógios Wear OS by Google.”

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Mudanças como fazer o relógio se conectar à rede de forma intermitente em vez de usar constantemente e liberar o canal de transmissão mais rapidamente foram testadas, disse Tenorio.

Dado o pequeno tamanho da bateria nos smartwatches, alterar esses parâmetros pode prolongar a vida útil do dispositivo “de forma muito significativa”, disse ele.

Houve um custo no desempenho, mas a API pode economizar energia suficiente para o funcionamento do dispositivo até o final de uma longa corrida, acrescentou.

A tecnologia decorre do envolvimento da Vodafone em um projeto de 2017 com a maratonista de elite Kenenisa Bekele para quebrar a barreira da maratona de duas horas.

A quantidade de dados transmitidos pelos sensores na tentativa esgotou a bateria do smartwatch em menos de uma hora, disse Tenorio.

“Bekele era rápida, mas não era tão rápida”, disse ele. “Em alguns anos, conseguimos estender a vida (da bateria) para três horas e meia.”

A tecnologia pode estar disponível no Wear OS nos próximos meses, disse ele, acrescentando que “muitos mais” parceiros de dispositivos vestíveis estão interessados ​​na API.

Compartilhe esta publicação: