Chance de pedaço de foguete cair em alguém na Terra é de 1 em 10

Artigo ressalta a crescente ameaça que o lixo espacial representa à medida que mais países e empresas se aventuram no espaço

Robert Hart
Compartilhe esta publicação:
VCG via Getty Images
VCG via Getty Images


O foguete Longa Marcha-5B Y2, do qual uma parte caiu na Terra no Oceano Índico

Acessibilidade


10% de chance de partes descontroladas de foguetes retornarem à Terra causando uma ou mais mortes na próxima década, de acordo com um artigo publicado na “Nature Astronomy”, ressaltando a crescente ameaça que o lixo espacial representa à medida que mais e mais países e empresas se aventuram no espaço.

Embora o risco de partes de foguetes retornarem à Terra e ferir ou matar alguém seja pequeno – a maioria provavelmente pousaria no oceano ou em algum lugar desabitado – os pesquisadores alertaram que os riscos aumentam com o tempo.

Leia mais: 8 curiosidades sobre a Nasa que vão além do espaço

Usando relatórios públicos sobre lançamentos de foguetes e 30 anos de dados sobre corpos de foguetes abandonados em órbita, os pesquisadores disseram que há uma chance em 10 de uma ou mais mortes na próxima década se as práticas atuais não mudarem.

Como muitos foguetes são lançados em órbitas próximas ao equador, é mais provável que retornem no Sul global, onde o risco de queda é desproporcional.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Corpos de foguetes são aproximadamente três vezes mais propensos a pousar nas latitudes de cidades como Jacarta, Dhaka, Cidade do México, Bogotá e Lagos do que nas de Nova York, Pequim ou Moscou, disseram os pesquisadores.

Embora nem sempre tenha sido possível usar foguetes com componentes que possam ser guiados com segurança de volta à Terra, os pesquisadores disseram que a tecnologia moderna e o design os tornam uma opção viável, mas Estados e empresas estão relutantes em assumir a despesa adicional.

Os pesquisadores pediram acordos multinacionais para exigir reentradas controladas de foguetes, acusando grandes nações espaciais como EUA, China, Rússia e Europa (que é tratada como uma entidade única) de “exportar” seu risco para o resto do mundo e externalizar os custos de entrar no espaço de forma semelhante às emissões de gases de efeito estufa.

A China foi fortemente criticada no ano passado quando um propulsor do foguete Longa Marcha-5B entrou em órbita em alta velocidade e voltou imprevisivelmente para a Terra, eventualmente mergulhando no Oceano Índico perto das Maldivas. Em última análise, nenhuma vítima foi relatada. As chances de ele cair em áreas povoadas não eram desprezíveis, no entanto, e especialistas e funcionários dos EUA criticaram o design ruim do foguete e a atitude arrogante da China em relação à segurança espacial, alegando negligência.

O incidente iluminou o crescente problema que o lixo espacial representa e os possíveis problemas que até mesmo um único ator pode causar. À medida que mais países e empresas privadas avançam para o espaço, a questão deve se intensificar, especialmente porque não há uma estrutura legal regendo o lixo espacial (há tratados que cobrem coisas que colidem com a Terra, que são de responsabilidade do país de origem).

O número

27 mil. É o número de pedaços de detritos orbitais, ou “lixo espacial”, que são rastreados pelo Departamento de Defesa dos EUA. A Nasa avisa que há muito mais lixo espacial por aí, mas muito pequeno para ser rastreado.

Contexto

A grande maioria do lixo espacial nunca representará uma ameaça física direta a ninguém na Terra – eles estão orbitando o planeta e provavelmente queimariam na reentrada se isso mudasse – mas representam um perigo substancial para outros itens ou veículos, no espaço.

As velocidades extremamente altas em que detritos, objetos espaciais ou naves espaciais se movem significam que até mesmo um pequeno pedaço de detrito pode causar grandes problemas. Mesmo “pequenas manchas de tinta” podem danificar naves espaciais, de acordo com a Nasa, que disse que várias janelas de ônibus espaciais tiveram que ser substituídas por causa dos danos causados ​​pelo que acabou sendo uma mancha de tinta.

O risco de que as constelações de satélites em expansão – como a que está sendo criada pela SpaceX de Elon Musk – criem mais detritos espaciais preocupa os especialistas e até os próprios satélites causaram problemas e quase acidentes com espaçonaves.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação:

Temas