Holograma: formato promissor que pode ser a próxima grande mídia

Como é apenas o começo para a ampla adoção de hologramas, cabe às marcas e suas agências começarem a explorar as oportunidades que são limitadas apenas pela nossa imaginação.

Michelle Greenwald
Compartilhe esta publicação:
Michelle Greenwald
Michelle Greenwald

Visitante na exposição “Dream Now” da Louis Vuitton e da Nike em Greenpoint, Brooklyn.

Acessibilidade


Quando Shawn Frayne tinha apenas 10 anos de idade em Orlando, Flórida, seu pai o levou para ver De Volta para o Futuro 2, que definiu a trajetória de sua paixão ao longo da vida pelo avanço da tecnologia de holograma. Ele ficou encantado com o tubarão holográfico do filme e sonhava em um dia fazer hologramas muito mais refinados, envolventes e realistas. Quando Shawn tinha 14 anos, seu pai o ajudou a criar um estúdio de animação de holograma em seu quarto e ele fez seu primeiro holograma animado. A partir de então, Shawn continuou experimentando e aperfeiçoando suas técnicas. Ele se matriculou no MIT, que oferecia os estudos de graduação mais avançados relacionados a hologramas, já que o então reitor do MIT acreditava fortemente no futuro do campo.

Avanço rápido para o início de junho de 2022, quando a empresa de hardware e software de Shawn, a Looking Glass Factory, lançou a maior tela holográfica do mundo – a Looking Glass 65”, 4X maior do que qualquer outra tela holográfica 3D visível em grupo. Fui um dos primeiros a vê-lo e fiquei impressionado como uma tela tão plana pode transmitir tanta profundidade e perspectiva 3D. Todos os sistemas da empresa permitem que grandes grupos de pessoas visualizem até 100 perspectivas diferentes de conteúdo 3D realista ao mesmo tempo. Os hologramas parecem flutuar para fora da tela com realismo e profundidade, e são experimentados sem fone de ouvido, rastreamento ocular ou óculos 3D.

O segredo da tecnologia da Looking Glass Factory está no hardware proprietário e na ótica gerada por software que transmite sombras e luz sutis, não muito diferente do que o pintor francês Monet fez ao pintar a catedral de Rouen sob tantas condições de luz diferentes, e Leonardo da Vinci tentou capturado em suas pinturas. Shawn citou o último que disse que “a realização suprema da pintura surge da luz e da sombra. A essência da boa pintura e a chave para fazer um objeto parecer tridimensional é acertar as sombras”, e é por isso que Leonardo passou mais tempo estudando e escrevendo sobre sombras do que qualquer outro tópico artístico.

Leia mais: Indústrias relacionadas ao metaverso devem movimentar R$ 4 tri até 2024

Os usuários-alvo do hardware e software da Looking Glass incluem indivíduos e empresas. O modelo de 65″ é ótimo para marketing experimental, narrativa em 3D, engenharia, design, visualização médica e científica, P&D e criação de arte, fotografia e filme. Springbok Entertainment acaba de lançar o filme Zanzibar: Trouble in Paradise, o primeiro filme ou documentário holográfico, em competição no Tribeca Film Festival em junho. De acordo com Brandon Zamel, CEO da Springbok Entertainment, “o aumento maciço no tamanho holográfico dá aos contadores de histórias em 3D a tela ideal para ultrapassar os limites das experiências imersivas. É o começo de uma nova maneira de vivenciar os filmes.” Mas a tecnologia não é apenas para filmes. Os usuários podem usar praticamente qualquer conteúdo 3D, incluindo os novos recursos de captura em telefones como iPhone X, 11 e 12, para criar hologramas usando o software e as ferramentas de criação da Looking Glass Factory. Esses hologramas podem ser exibidos em qualquer tamanho de Espelho; incluindo o modelo Retrato de mesa de 7,9”.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O reprodutor de mídia da Looking Glass, HoloPlay Studio, visualiza, edita e sincroniza facilmente mídia holográfica e integrações diretas estão disponíveis para ferramentas de criação e software 3D Unity, Unreal e Blender.

Existem inúmeros exemplos que evidenciam que os hologramas do Espelho estão prontos para o horário nobre. Recentemente, visitei a exposição “Dream Now” da Louis Vuitton e da Nike em Greenpoint, Brooklyn, que usou cerca de 50 hologramas diferentes para exibir tênis 3D. Por meio da tecnologia de reconhecimento de gestos sem toque, os visitantes podem expandir e girar as imagens do sapato de colecionador 3D. Os displays também foram usados ​​em inúmeras ativações de marketing experiencial com marcas-chave no Festival Cannes Lions. Outros exemplos de aplicativos de marketing de marca que podemos esperar ver mais incluem publicidade fora de casa, instalações de varejo, feiras e eventos, parques temáticos e galerias de arte digital. Outra indicação é a diversidade de pesos pesados, membros do conselho com experiência em tecnologia, como Sabrina Kieffer, ex-vice-presidente sênior do Vimeo e COO da Skillshare, e Brenda Freeman, ex-Turner Broadcasting, DreamWorks, National Geographic, Magic Leap e Arteza.

Como sempre, gosto de descobrir novos formatos de mídia que reduzem o atrito com o cliente e proporcionam ótimas experiências imersivas. Como é apenas o começo para a ampla adoção de hologramas, cabe às marcas e suas agências começar a explorar as oportunidades que são limitadas apenas pela nossa imaginação.

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: