iPhone sozinho já fatura mais que Disney, Nike e Coca-Cola juntas

De acordo com a Statista, o smartphone da Apple já é o produto de maior sucesso da história e já movimentou mais de US$ 1,5 trilhão desde seu lançamento, em 2007

Luiz Gustavo Pacete
Compartilhe esta publicação:
Mike Segar/Reuters
Mike Segar/Reuters

Somente no ano passado, a receita da Apple com iPhone foi de US$ 192 bilhões

Acessibilidade


O produto de maior sucesso da história pós-revolução industrial. Essa é uma das definições da Statista para descrever a trajetória do iPhone. De acordo com dados reunidos pela consultoria, o smartphone da Apple, desde que foi lançado em 2007, já vendeu mais de US$ 1,5 trilhão. Somente no ano passado, a receita da Apple com o iPhone foi de US$ 192 bilhões.

Esse montante, de acordo com o levantamento, está à frente dos faturamentos de Nike, Disney e Coca-Cola juntas. “Quando o primeiro iPhone foi colocado à venda, em junho de 2007, ele preencheu todos os requisitos que um lançamento demandava: hype, euforia e longas filas para experimentar a novidade. Nos últimos 15 anos, esse mesmo iPhone se tornou o que muitos consideram o produto de maior sucesso da história”, diz o relatório.

Leia mais: O que mais dá dinheiro para a Apple além do iPhone?

Ainda de acordo com a Statista, no ano passado, a receita do iPhone foi a maior em um ranking que tem a Microsoft em segundo lugar, com US$ 168 bilhões em vendas, seguida por Verizon, US$ 133 bi, GM, US$ 127 bilhões. Na lista ainda estão JP Morgan, US$ 121 bi, P&G, US$ 76 bilhões, Disney, US$ 67 bi, Nike, US$ 44 bi, Coca-Cola, US$ 39 bi e McDonald´s, US$ 24 bilhões.

A primeira empresa trilionária

Graças ao iPhone, a Apple atingiu, em janeiro deste ano, a marca de US$ 3 trilhões em valor de mercado. Isso ocorreu graças à confiança dos investidores de que a fabricante do iPhone continuará lançando produtos mais vendidos à medida que explora novos mercados, como carros automatizados e metaverso. No primeiro dia de negociação de ações em 2022, os papéis da empresa atingiram um recorde de US$ 182,88, tornando a Apple a empresa mais valiosa do mundo e a primeira a atingir esse marco.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.
gettyimages-JustinSullivan
gettyimages-JustinSullivan

Steve Jobs apresentou o primeiro iPhone ao mundo em 2007, desde então, as vendas do aparelho já passam de US$ 1,5 trilhão

A empresa mais valiosa do mundo é a primeira a atingir esse marco, já que os investidores apostam que os consumidores continuarão gastando muito dinheiro em iPhones, MacBooks e serviços como Apple TV e Apple Music. “Ser a primeira empresa a entrar para o clube de US$ 3 trilhões é um ‘momento flex-the-muscle”, disse Tim Cook, CEO da Apple, à época.

Apple além do iPhone

Apesar do sucesso do iPhone, a Apple tem visto crescer outras linhas de receitas. Um crescimento de quase 40% previsto até 2025, essa é a estimativa do avanço de duas linhas de receita da Apple: games e música feita pelo JP Morgan. O relatório do banco aponta que as receitas com esses dois segmentos devem chegar a US$ 8,2 bilhões. Além disso, a base de assinantes combinada soma 180 milhões, 110 milhões em música e 70 em games.

Leia mais: Além do trilhão: os momentos cruciais da Apple em 2022

Isso se dá pelo fato de que o Apple Music, lançado em 2015, é o segundo serviço de streaming do mundo ficando atrás apenas do Spotify e será responsável por US$ 7 bilhões até 2025. Já o Apple Arcade, plataforma de games criada em 2019, chegará a US$ 1,2 bilhão. Durante o balanço do primeiro trimestre, referente a março, a receita total do segmento dessas duas verticais foi de US$ 19,8 bilhões o que ainda inclui App Store e Apple TV+.

Abaixo, as receitas das empresas comparadas às vendas do iPhone em 2021, segundo a Statista:

>> Inscreva-se ou indique alguém para a seleção Under 30 de 2022

Compartilhe esta publicação: