Assim como a da Terra, atividade do Sol está acelerada

Com duração média de 11 anos, o ritmo da estrela é medida pelo número de manchas solares que existem em sua superfície

Jamie Carter
Compartilhe esta publicação:
Divulgação/NASA
Divulgação/NASA

A imagem mais recente do Sol, tirada dia 2 de agosto pelo Solar Dynamic Observatory da Nasa, mostra um número maior de atividades

Acessibilidade


Não apenas a Terra está girando de repente mais rápido, nosso Sol também está ficando mais ativo do que a Nasa previu. A estrela parece ter um ciclo de cerca de 11 anos durante o qual aumenta e diminui. Sua atividade é medida pelo número de manchas solares em sua superfície, que são contadas todos os dias desde 1755. Durante esses 11 ou mais anos, há um “mínimo solar” (quando há menos manchas solares) e um “máximo solar” (quando há mais manchas solares).

Ciclo Solar 25 aumenta

Estamos agora no Ciclo Solar 25, que começou em dezembro de 2019, quando, em retrospecto, os cientistas solares conseguiram dizer o momento do mínimo solar. Não é de surpreender que o máximo solar ocorra no meio do Ciclo Solar 25, portanto, entre novembro de 2024 e março de 2026 – e provavelmente julho de 2025.

“A atividade do Sol aumentou rapidamente e, embora não tenhamos atingido níveis máximos neste ciclo, a atividade do Sol já está superando as previsões”, disse Nicola Fox, diretor da Divisão de Heliofísica da Nasa em um blog na semana passada. “Os eventos solares continuarão a aumentar à medida que nos aproximamos do máximo solar em 2025, e nossas vidas e tecnologia na Terra, bem como satélites e astronautas no espaço, serão impactados”.

O efeito do “clima espacial”

Mais atividade na superfície do Sol significa mais explosões solares e erupções solares, que colocam mais partículas carregadas no espaço. Esse clima espacial, quando direcionado à Terra, pode significar interrupções nos sinais de rádio, surtos nas redes elétricas, danos aos satélites GPS e riscos para naves espaciais e astronautas na Estação Espacial Internacional. No entanto, exatamente quantas manchas solares haverá durante o máximo solar – e, portanto, quão ativo nosso Sol ficará durante o pico deste ciclo atual – é desconhecido.

A previsão da Nasa para o Ciclo Solar 25

O Ciclo Solar 24 foi muito silencioso. Seu máximo solar ocorreu em abril de 2014, quando as manchas solares atingiram o pico de 114. A média é de 179. Painel de Previsão do Ciclo Solar 25 — um grupo internacional de especialistas co-patrocinado pela Nasa e pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) previu que o Ciclo Solar 25 também estaria abaixo da média em termos de atividade solar.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Quanto mais carregado o vento solar em direção à Terra, mais brilhantes e frequentes são as exibições de auroras. De fato, dezembro de 2021 viu mais do dobro do número de manchas solares previstas – 67 contra os 26 esperados.

Qual é o modelo do “relógio solar”?

Portanto, parece que uma previsão rival de outro grupo de cientistas do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR) está se tornando realidade. Ao contrário do Painel de Previsão do Ciclo Solar 25, esses pesquisadores previram que o número máximo de manchas solares estará em algum lugar entre 210 e 260.

Isso acontece então a explicação dos pesquisadores – a teoria do “relógio solar” que observa que o Sol tem ciclos magnéticos de 22 anos sobrepostos que interagem para produzir o Ciclo Solar de 11 anos – poderia ganhar credibilidade. Ele sugere um novo método para decifrar quando os ciclos solares começam e terminam, além de sugerir que ciclos mais curtos são seguidos por outros mais ativos.

Qual é o modelo do “relógio solar”?

Portanto, parece que uma previsão de outro grupo de cientistas do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica (NCAR) está se tornando realidade. Ao contrário do Painel de Previsão do Ciclo Solar 25, esses pesquisadores previram que o número máximo de manchas solares estará em algum lugar entre 210 e 260.

Isso acontece então a explicação dos pesquisadores – a teoria do “relógio solar” que observa que o Sol tem ciclos magnéticos de 22 anos sobrepostos que interagem para produzir o Ciclo Solar de 11 anos – poderia ganhar credibilidade. Ele sugere um novo método para decifrar quando os ciclos solares começam e terminam, além de sugerir que ciclos mais curtos são seguidos por outros mais ativos.

Com tantos modelos e previsões diferentes sobre o que realmente acontece, pode ser mais fácil no futuro para os físicos solares preverem a atividade solar com mais precisão.

Como bônus, um forte Ciclo Solar 25 pode significar uma coroa solar particularmente pontiaguda em torno do máximo solar. Essa é uma boa notícia para os observadores do céu na América do Norte, porque haverá um eclipse solar total em 8 de abril de 2024, cujo período total pode ser visto com segurança a olho nu.

Compartilhe esta publicação: