Apresentado por       

Como a Marfrig constrói seus negócios com olhos na operação e na sustentabilidade

A empresa tem prosperado com a presença em países vizinhos e nos EUA, se tornando a segunda maior processadora de carne do mundo .

Vera Ondei
Apresentado por       
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

A empresa tem prosperado com a presença em países vizinhos e nos EUA, se tornando a segunda maior processadora de carne do mundo

Acessibilidade


No cenário da indústria brasileira de proteína animal há uma certeza quase absoluta entre as companhias do setor: o país tem um futuro próspero e é dele que se alimentam os projetos de expansão e de consolidação de mercados. “Na indústria alimentícia, a demanda global supera a oferta”, diz Miguel Gularte, diretor presidente da Marfrig Global Foods. O aumento dessa demanda e a apreciação do dólar fez o desempenho da companhia disparar. No ano passado, ela faturou R$ 48,78 bilhões, um aumento de 64% ante o ano anterior.

A empresa tem prosperado com operações globais que incluem a presença em países vizinhos e também nos Estados Unidos, com a National Beef, sediada no Missouri, sendo a quarta maior indústria de carne bovina americana. A consequência disso é que as ações da Marfrig na bolsa de valores B3 valorizaram 132% nos últimos 24 meses, 28% se contados 12 meses e 46,9% desde o início de 2020.

VEJA TAMBÉM: Impulso das exportações faz lucro da Marfrig subir quase 7 vezes no 3º tri

A Marfrig se tornou a segunda maior processadora de carne do mundo. Incluindo também as operações na Argentina e no Uruguai, são 21 unidades de abate com capacidade diária para cerca de 31 mil bovinos. A produção de hambúrgueres é superior a 220 mil toneladas anuais, a maior do mundo. É, por isso, uma grande fornecedora da rede de fast food McDonald’s, contando também no portfólio com o hambúrguer de base vegetal, outra aposta da companhia. Além disso, produz o mesmo volume de outros itens cárneos, entre in natura e processados. “Nesses tempos, procuramos muito por melhorias na gestão da operação”, afirma Gularte. “Controle dos custos fixos, aumento de produtividade e melhora de rendimento formam uma trilogia que pode resumir a melhora do valor da empresa.”

Mas foco na gestão financeira e nos projetos de expansão não é tudo, embora a empresa não pare. Enquanto, no mês passado, anunciava a construção de uma nova unidade de processamento de hambúrguer em 2021, no município de Bataguassu (MS), depois de ter comprado em outubro a produtora argentina de carnes Campo del Tesoro por US$ 4,6 milhões, a empresa recebeu a notícia de que é a brasileira mais bem colocada em seu setor no ranking da Fairr Initiative (Coller Fairr Protein Producer Index), uma associação global de investidores que detêm US$ 25 trilhões sob sua gestão e têm como prática levar uma série de dados em consideração. O ranking se baseia em critérios que envolvem desmatamento nas cadeias de produção, uso de antibióticos na criação animal, investimento em proteínas alternativas, emissões de gases de efeito estufa e condições de trabalho nas empresas.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Participam do ranking 60 companhias globais de capital aberto ligadas à produção de alimentos à base de carnes, peixes e lácteos. Na categoria “médio risco”, no grupo geral a Marfrig saiu da posição 11 para a quarta no mundo. “É um ranking reconhecido e respeitado, melhora a nossa imagem e o ambiente de negócios”, afirma Gularte. “Sustentabilidade passou a ser relevante, com menos espaço para o discurso e mais ação e prática.”

Reportagem publicada na edição 82, lançada em dezembro de 2020

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: