Argentina terá safra recorde de trigo em 21/22, diz adido do USDA

A área plantada deverá somar 6,65 milhões de hectares, um aumento de 5,5%, em relação ao ano anterior

Redação
Compartilhe esta publicação:
Agustin Marcarian/Reuters
Agustin Marcarian/Reuters

Considerando os custos atuais e os preços futuros, os retornos do trigo médios devem crescer 8% ante a temporada anterior

Acessibilidade


A produção de trigo da Argentina no ano comercial 2021/22 (julho/junho) foi estimada em um recorde de 20,5 milhões de toneladas, com um aumento no plantio principalmente nas províncias de Córdoba e Chaco, estimou o adido do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos).

A área plantada deverá somar 6,65 milhões de hectares, um aumento de 350 mil hectares, ou 5,5%, em relação ao ano anterior. O crescimento só não será maior pela expansão do cultivo de cevada e pela preocupação dos agricultores com políticas de controle de exportação do governo.

LEIA MAIS: USDA eleva estimativas de safra e exportação de soja do Brasil em 2020/21

Considerando os custos atuais e os preços futuros, os retornos do trigo médios devem crescer 8% ante a temporada anterior.

Embora os preços futuros do trigo tenham aumentado significativamente, os custos dos insumos, especialmente para fertilizante, saltaram 40-50% em relação ao ano anterior, e o glifosato subiu 10%, compensando parte dos ganhos”, disse o adido.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

As exportações de trigo da Argentina em 2021/22 estão previstas para atingir 13,9 milhões de toneladas (incluindo farinha de trigo), superando o anterior de 2016/17, em resposta à produção recorde e diante de um aumento moderado no mercado doméstico.

Espera-se que o Brasil siga como o principal mercado de exportação da Argentina, recebendo mais de 6 milhões de toneladas, incluindo farinha, com restante sendo destinado a mercados do Sudeste Asiático, África e outros países da América Latina.

As exportações em 2021/22 dependerão não apenas dos suprimentos exportáveis ​​e da qualidade da Argentina, mas também do status de fornecimento da Austrália no comércio global.

O trigo argentino esteve em mercados tradicionalmente da Austrália, após queda na produção do país da Oceania.

As exportações de trigo no ano comercial atual (2020/21) são estimadas em 11 milhões de toneladas, incluindo farinha. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: