Conselho Internacional de Grão reduz projeção para safra global de milho 2021/22

O órgão intergovernamental diminuiu em 1 milhão de toneladas de grãos a estimativa, para 1,192 bilhão de toneladas.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Roelof Bos/Getty Images
Roelof Bos/Getty Images

Conselho Internacional de Grão também elevou a projeção de safra de milho dos EUA, os maiores produtores, e da Argentina e União Europeia

Acessibilidade


O Conselho Internacional de Grãos (IGC) reduziu hoje (29) suas projeções para a produção global de milho na temporada 2021/22, com um corte nas projeções para os Estados Unidos.

Em atualização mensal, o órgão intergovernamental diminuiu em 1 milhão de toneladas a estimativa, para 1,192 bilhão de toneladas, que ainda seria recorde.

LEIA TAMBÉM: Por que a carne orgânica tem seduzido cada vez mais consumidores antenados na origem dos alimentos

Os EUA, maiores produtores, devem colher 379,5 milhões de toneladas do cereal, abaixo da estimativa anterior de 384 milhões de toneladas, mas ainda acima dos 360,3 milhões de toneladas da temporada passada.

Uma onda de frio no Meio-Oeste dos EUA reduziu o ritmo do plantio.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

O Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês) disse que o plantio de milho nos EUA estava 17% concluído até 25 de abril, levemente atrás da média de cinco anos, de 20%.

O IGC ainda elevou as projeções de safra de milho 2021/22 na Argentina (para 59,3 milhões de toneladas, de 56,3 milhões) e na União Europeia (para 67,5 milhões, de 65,1 milhões).

Já a safra global de trigo em 2021/22 foi estimada em 790 milhões de toneladas, estável frente à previsão anterior, mas acima da temporada anterior, de 774 milhões de toneladas. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: