Wilmar aponta queda acentuada na produção de açúcar no Brasil

A trading asiática de commodities espera que a safra de cana do centro-sul do Brasil caia para 530 milhões de toneladas em 2021/22.

Redação
Compartilhe esta publicação:
Emmanuel Foudrot/Reuters
Emmanuel Foudrot/Reuters

A trading asiática de commodities espera que a safra de cana do centro-sul do Brasil caia para 530 milhões de toneladas em 2021/22

Acessibilidade


A produção brasileira de açúcar deve cair drasticamente na nova safra que começou em abril, já que o clima desfavorável continua prejudicando o desenvolvimento da cana-de-açúcar na região centro-sul, disse a trading asiática de commodities Wilmar hoje (20).

A Wilmar espera que a safra de cana do centro-sul do Brasil caia para 530 milhões de toneladas em 2021/22, em comparação com 605 milhões de toneladas na temporada anterior, com a produção de açúcar recuando para um intervalo entre 31 milhões e 33 milhões de toneladas, versus 38,5 milhões de toneladas.

Copersucar compra 50% da fatia da Cargill na Alvean, maior trading de açúcar

A projeção da trading é a menor entre operadores e analistas até agora. A maioria espera menor produção de açúcar no Brasil depois do recorde da safra passada, mas a maioria das estimativas gira em torno de 35 milhões de toneladas. Os preços do açúcar bruto saltaram mais de 3% em Nova York esta manhã, devido ao mau tempo para as safras na Europa e no Brasil.

“Nós sinalizamos a possibilidade de uma redução adicional em nossa previsão de safra, se as chuvas não melhorarem rapidamente e o período de estresse hídrico continuar para a safra”, disse Karim Salamon, chefe de análise de mercado de açúcar da Wilmar, em nota. A empresa também projetou uma redução acentuada na produção de etanol no centro-sul do Brasil em 2021/22 para intervalo de 23 bilhões a 25 bilhões de litros, ante 27,8 bilhões de litros na temporada anterior.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Salamon disse que, com uma recuperação potencial na demanda de combustível esperada em 2021, pode haver um déficit de etanol de mais de 5 bilhões de litros.

“É provável que o açúcar e o etanol tenham que competir ferozmente entre si, já que caminhamos para uma escassez global de açúcar equivalente (sacarose) de quase 12 milhões de toneladas”, acrescentou o analista. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: