Linha de produtos vegetais da PlantPlus Foods chega ao mercado

Marfrig e ADM apresentam hambúrgueres, quibes e almôndegas para abocanhar uma fatia de US$ 18,5 bilhões desse segmento, nos próximos nove anos.

Erich Mafra
Compartilhe esta publicação:
Divulgação
Divulgação

Hambúrguer de 113 gramas da PlantPlus Foods possui aproximadamente 18 gramas de proteína

Acessibilidade


Hoje (18), a brasileira Marfrig, uma das maiores empresas de proteínas do mundo, e a americana ADM (Archer Daniels Midland), uma das maiores processadoras agrícolas e fornecedoras globais de insumos, apresentaram o que consideram mais um passo na consolidação da joint venture PlantPlus Foods, lançada em outubro de 2020, com a qual as empresas apostam no mercado de proteínas com base totalmente vegetal. Foram apresentados os produtos que estão indo para as gôndolas do varejo e também para os food services, ítens como hambúrgueres, carne moída, almôndegas e quibe.

A primeira ação conjunta de mercado da Marfrig e da ADM, antes da criação da joint venture, foi o desenvolvimento do Rebel Whooper em 2019, versão plant based do mais famoso hambúrguer da rede americana de fast-food Burger King no país. Agora, com a PlantPlus Food, o objetivo é avançar sobre o varejo, mostrando mais uma opção ao consumidor.

LEIA TAMBÉM: Granja integrada da BRF recebe carga por drone

“Vimos um crescimento exponencial nesta categoria de alimentos durante a pandemia. Foram crescimentos de dígitos triplos; cerca de 100% no Brasil e 200% nos Estados Unidos”, explicou John Pinto, CEO da Plant Plus Foods durante o evento on line. “A PlantPlus Foods tem como propósito oferecer escolhas para os consumidores. Queremos ser a primeira opção não só para vegetarianos e flexitarianos, mas também atrair as pessoas que consomem carne bovina.”

Conforme dados mostrados na ocasião, o mercado para produtos de proteína 100% vegetal é estimado em US$ 6,5 bilhões nas Américas do Norte e Latina. Segundo o executivo, projeções internas da PlantPlus Foods indicam que esse segmento pode chegar a US$ 25 bilhões nos próximos nove anos. É nesse crescimento, de US$ 18,5 bilhões, que a joint venture quer ganhar uma fatia do mercado.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

Beatriz Hlavnicka, head de marketing para a América do Sul, conta que os produtos são desenvolvidos com ingredientes como beterraba, alho, cebola e soja. “A gente tem, nos componentes, ingredientes naturais e também a soja como base. Ela é a fonte de proteína. Falamos de alto grau de digestibilidade.” A quantidade de proteína varia entre as opções da linha, mas chega próximo aos valores da carne bovina, segundo a empresa. No caso do hambúrguer, por exemplo, de 113 gramas da PlantPlus Foods, são 18 gramas de proteína.

De acordo com a executiva, o investimento em pesquisa e desenvolvimento de coprodutos da ADM é considerado vital para a criação de novos sabores e texturas, entre eles os similares às proteínas de frango ou de peixes. A atual expansão do projeto e parceria com a Marfrig é fruto do investimento de cerca de US$ 250 milhões realizado pela ADM em 2018, em Campo Grande (MS), para construir a maior planta da América Latina destinada à produção de proteínas de soja.

Para incentivar o consumo desse tipo de alimento, a PlantPlus Foods deve investir em divulgação. “Vamos trabalhar muito forte o pilar da educação e da experimentação”, diz Beatriz. “Educação através das redes sociais — em parceria com influenciadores, poderemos atingir mais de 13 milhões de seguidores — e experimentação em parceria com a  Rappi.” 

VEJA MAIS: Diretor da ADM diz que Brasil precisa de plano de longo prazo para logística

Os produtos finais serão processados na unidade da Marfrig de Várzea Grande (MT), de onde já sai o hambúrguer da Burger King. Com a capacidade da planta, a joint venture espera acessar mercados de outros países da América Latina, além do Brasil, e também exportar aos Estados Unidos. No país, outra negociação em andamento é com a rede Subway, especializada em sanduíches. 

Uma maior oferta de produtos, segundo o CEO da PlantPlus, deve levar a um cenário de preços competitivos na ponta da cadeia, trazendo os preços de produtos de proteína vegetal para a mesma faixa da proteína animal. Com a possibilidade de variar em cada região do país, a caixa com duas unidades de hambúrguer (equivalente à 226 gramas) da linha plant based deve custar em torno de R$ 21. “Vamos ter ações promocionais para fomentar a experimentação, o que vai permitir que o consumidor consiga ter acesso aos produtos a um preço ainda menor do que isso”, afirmou o CEO. No e-commerce do Saint Marche,  400 gramas do hambúrguer de picanha Bassi, marca da Marfrig, sai por R$ 24,90.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: