Meta do governo é entregar Cadastro Ambiental Rural em 2 anos, diz ministra

Segundo Tereza Cristina, o ministério tem tomado ações para ajudar os Estados a implementar o CAR

Redação
Compartilhe esta publicação:
Amanda Perobelli/Reuters
Amanda Perobelli/Reuters

Segundo Tereza Cristina, o ministério tem tomado ações para ajudar os Estados a implementar o CAR

Acessibilidade


A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse hoje (5) que tem o objetivo de ver implementado em todo o país, em prazo de até dois anos, o Cadastro Ambiental Rural (CAR), uma das ferramentas do Código Florestal.

Segundo ela, o ministério tem tomado ações para ajudar os Estados a implementar o CAR, importante mecanismo para iniciar um processo que definirá se uma propriedade agrícola está aderente à legislação ambiental.

Agtech que usa drones para controle biológico de pragas cresce oito vezes em 2020

“A minha meta é que em dois anos, até o final do governo Bolsonaro, a gente entregue essa ferramenta. Será o maior cadastro ambiental do mundo”, disse a ministra, durante audiência em comissão de agricultura na Câmara.

Embora o Código Florestal tenha sido aprovado há cerca de dez anos pelo Congresso Nacional, menos de 5% dos CARs registrados estão efetivamente validados, afirmou no início de abril o presidente do Conselho Diretor da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Marcello Brito.

Inscreva-se para receber a nossa newsletter
Ao fornecer seu e-mail, você concorda com a Política de Privacidade da Forbes Brasil.

A ministra admitiu que o Brasil não tinha em muitos casos as bases para fazer as análises relacionadas ao CAR, citando até falta de pessoal.

Por isso, ressaltou ela, “compramos as bases de dados”, que serão entregues aos responsáveis pelo processo.

A ministra disse que se reuniu com secretários estaduais de agricultura e de meio ambiente para agilizar o processo, pois cabe aos Estados criar seu próprio Programa de Regularização Ambiental (PRA), para que o produtor com seu CAR validado, se tiver alguma pendência ambiental, possa se regularizar antes de aderir ao Projeto de Recomposição de Áreas Degradadas e Alteradas (PRADA), conforme prevê a legislação. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Compartilhe esta publicação: