Preços futuros de carne suína despencam 7% na China

Stringer/Reuters
Stringer/Reuters

Produtores que esperavam preços mais altos apostaram na criação de porcos mais pesados para lucrar com essas cotações.

Os contratos futuros do suíno vivo na China recuaram quase 7% hoje (10), cravando o maior declínio desde que o contrato foi lançado, em janeiro, diante de uma queda nos preços no mercado físico do país.

O vencimento mais ativo na bolsa de commodities de Dalian fechou em baixa de 6,72%, a 25.005 iuanes (US$ 3.891,22) por tonelada.

LEIA TAMBÉM: Exportação de carne bovina do Brasil avança 12% em abril; China desacelera compras

Os preços dos suínos tiveram forte queda desde o final de abril, atingindo hoje (10) 20,29 iuanes por kg, menor patamar desde agosto de 2019, à medida que grandes volumes de animais pesados continuam sendo levados ao abate, disseram analistas.

Produtores que esperavam preços mais altos apostaram na criação de porcos mais pesados para lucrar com essas cotações.

No entanto, surtos inesperados de doenças suínas ao longo do inverno local levaram muitos produtores a enviar porcos para o abate mais cedo, o que fez com que os preços despencassem desde março e afetou a confiança entre os produtores.

“Em vários lugares ainda há uma pressão dos suínos mais pesados”, disse Xiong Kuan, analista da Cofco Futures, em nota.

Os preços, no entanto, podem atingir um piso em breve e tendem a subir a partir do terceiro trimestre, já que a temporada de chuvas no país acarreta maior incidência de doenças, acrescentou Kuan. (com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).