Produção gaúcha de grãos em 2021/22 poderá ser a melhor em uma década, diz FecoAgro

Inaê Riveras/Reuters
Inaê Riveras/Reuters

No caso da soja, os cálculos da FecoAgro/RS apontam um desembolso de R$ 3.098,25 por hectare

Os custos de agricultores com a produção de milho e soja no Rio Grande do Sul deverão aumentar quase 30% na safra 2021/22 em comparação com a temporada anterior, mas os bons preços das commodities ainda favorecem a relação de troca com insumos, estimada para ser a melhor em cerca de uma década, disse hoje (17) a FecoAgro/RS (Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul).

Segundo levantamento da entidade, os custos têm sido pressionados pela valorização do dólar frente ao real e a elevação dos preços dos principais produtos agrícolas, que deram impulso ao aumento nas despesas com fertilizantes e demais insumos.

LEIA MAIS: Cenário dos EUA permite repasse de custos mesmo com grãos em alta, diz CEO da JBS USA

Além disso, a FecoAgro/RS também citou aumentos nos preços de combustíveis e máquinas e equipamentos como fator para a elevação do desembolso na próxima safra.

Conforme os números da federação, o avanço no custo operacional do milho foi estimado em 27,36% ante 2020/21, a R$ 4.549,94 por hectare, enquanto o custo total foi projetado em R$ 6.625,43, alta de R$ 1.590,85 por hectare na comparação anual.

No caso da soja, os cálculos da FecoAgro/RS apontam um desembolso de R$ 3.098,25 por hectare, aumento de 29,98%, com custo total estimado em R$ 4.800,76/hectare, elevação de 31,78% na mesma base de comparação.

Apesar disso, ambas as commodities apresentam relações de troca favorável no Estado, ponderou a federação. Para o milho, o índice é o melhor nas últimas dez safras, enquanto a soja tem a relação mais favorável em nove temporadas.

Isso decorre dos altos preços em que os produtos agrícolas têm sido negociados, em meio a uma firme demanda e baixos estoques globais.

Na bolsa de Chicago, a cotação da soja atingiu na semana passada o maior nível desde 2012, chegando a superar a marca de US$ 16 por bushel, e o milho girou em torno de máximas de oito anos, antes de devolverem alguns ganhos na reta final da semana.

Em nota, o presidente da FecoAgro/RS, Paulo Pires, destacou que, mantendo-se os atuais preços pagos e os custos projetados, o produtor terá uma rentabilidade melhor na cultura do milho do que na soja no Estado.

“O levantamento da FecoAgro/RS salienta que, embora o produtor esteja mais capitalizado neste ano, é preciso ter cautela, pelo fato de ocorrer momentos cíclicos de bons preços, pois o mercado é volátil e o produtor enfrenta risco”, acrescentou a entidade. (Com Reuters)

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Siga Forbes Money no Telegram e tenha acesso a notícias do mercado financeiro em primeira mão

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

Copyright Forbes Brasil. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, impresso ou digital, sem prévia autorização, por escrito, da Forbes Brasil ([email protected]).